Conecte-se Conosco

Negócios

Especialista revela estratégias para maximizar a monetização com o YouTube

Publicado

em

De acordo com João Adolfo de Souza, fundador da João Financeira, os criadores têm à disposição um vasto oceano de oportunidades, ancorado na criatividade e na conexão com a audiência

O YouTube se tornou uma plataforma poderosa para criadores de conteúdo, oferecendo diversas maneiras de monetização. Desde anúncios nos vídeos até superchats durante transmissões ao vivo, os criadores têm à disposição uma gama de opções para transformar sua paixão em uma fonte de renda.

De acordo com João Adolfo de Souza, CEO e fundador da João Financeira e especialista em estratégias para maximizar ganhos no Youtube, os anúncios no YouTube são a espinha dorsal da monetização. “Com o programa de parcerias do YouTube, por exemplo, os criadores podem gerar receita exibindo anúncios em seus vídeos. Compreender a dinâmica por trás da distribuição de receitas e otimizar a colocação de anúncios pode ser crucial para aumentar não só os ganhos, mas também o engajamento”, revela.

Envolvendo a audiência, construindo autoridade e ampliando o alcance

Para criadores que realizam transmissões ao vivo, superchats e patrocínios oferecem uma fonte adicional de receita. “Os superchats permitem que os espectadores destaquem suas mensagens ao realizar uma doação, enquanto os patrocínios garantem um suporte mensal, criando uma base estável de ganhos. Estratégias para incentivar interações e fidelizar a audiência também devem ser abordadas para maximizar esses recursos”, pontua.

Vale lembrar que além das formas tradicionais de monetização, as parcerias estratégicas se destacam como uma ferramenta poderosa para construir autoridade e ampliar o alcance do canal. “É importante entender como atrair patrocinadores relevantes e estabelecer parcerias sustentáveis, beneficiando ambas as partes”, ressalta.

O especialista acredita que colaborar com outros criadores pode resultar em uma explosão de audiência. “Ao unir forças com personalidades complementares, é possível atrair novos públicos, expandindo assim a base de espectadores. Para isso, no entanto, é preciso adotar estratégias para identificar parceiros em potencial e maximizar os benefícios dessas colaborações”, declara.

Diversificando fontes de receita

Além das estratégias já mencionadas, é crucial que os criadores explorem oportunidades além das formas tradicionais de monetização. A criação e venda de produtos relacionados ao conteúdo, bem como o merchandising, podem representar uma fonte significativa de receita. “Entender a afinidade do público com determinados produtos e incorporar essas criações de forma autêntica aos vídeos não só aumenta as opções de renda, mas também fortalece a conexão entre criador e audiência”, relata.

Para João, outro aspecto vital para maximizar os ganhos no YouTube está na eficaz utilização das redes sociais. “Criadores que expandem sua presença para plataformas como Instagram, Twitter e TikTok podem alcançar novos públicos, fortalecendo sua marca enquanto aumentam a visibilidade e o engajamento do conteúdo”, revela.

O especialista acredita que a monetização na plataforma não se resume apenas a uma fórmula única, mas sim a um leque diversificado de estratégias. “Os criadores têm à disposição um vasto oceano de oportunidades, ancorado na criatividade, na conexão com a audiência e na busca constante por novas conquistas”, finaliza.

Sobre João Adolfo de Souza

João Adolfo de Souza é administrador de empresas e atua há quase 20 anos no ramo de empréstimos consignados. Atualmente, é CEO e fundador da João Financeira.  O empresário tem como foco ensinar pessoas a fazer dinheiro com o Youtube, e já conta com mais de 3,45 milhões de inscritos e ultrapassa a marca de 740 milhões de visualizações em seus canais. Para mais informações, acesse as redes @joaoadolfooficial ou o portal https://linktr.ee/joaoadolfooficial.

Continue lendo

Negócios

Jovem Davi Lucas Marques: Uma Jornada de Superação e Fé

Publicado

em

De

Davi Lucas Marques, 36 anos, natural de Tanabi, interior de São Paulo, compartilhou sua emocionante história de luta e redenção. Originário de uma família simples, Davi enfrentou desafios desde tenra idade, sendo submetido a castigos severos que marcaram sua infância. Apesar das adversidades, sua determinação e coragem foram marcas registradas em sua trajetória.

Ao mudar-se para São José do Rio Preto em busca de oportunidades de trabalho, Davi encontrou não apenas novas experiências, mas também desilusões e más influências que o levaram ao abismo das drogas. A loló e a cocaína se tornaram seus vícios, resultando na perda de tudo que tinha, inclusive amigos e entes queridos.

Davi enfrentou o fundo do poço durante seus 11 dias em um leito hospitalar, à beira da morte. Porém, sua fé inabalável em Deus o sustentou, mesmo diante das traições e maquinações de pessoas próximas que buscavam sua destruição por meios ocultos.

Mas a intervenção divina foi evidente na vida de Davi, como ele relata em um momento de aflição em um quarto de motel, cercado pela iminência da prisão injusta. Sua prece foi ouvida quando, diante da presença da tropa policial, inexplicavelmente os oficiais se retiraram, permitindo-lhe uma segunda chance para uma nova vida.

Davi reconhece esse episódio como um sinal divino e decide dedicar o resto de seus dias a servir a Deus e levar Sua palavra aos confins da terra. Sua experiência transformadora serve como inspiração para todos que enfrentam batalhas pessoais e buscam a redenção através da fé.

A história de Davi Lucas Marques é um testemunho de esperança e resiliência, um lembrete de que, mesmo nos momentos mais sombrios, a luz da fé pode iluminar o caminho rumo à recuperação e renovação espiritual.

Continue lendo

Negócios

Corecon-SP realiza debate online “A Nova Indústria Brasil (NIB)”

Publicado

em

De

Encontro terá participação de especialistas em economia da entidade e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE)

A TV Economista transmite, nesta quinta-feira (25), às 11h, o debate “A Nova Indústria Brasil (NIB)”. Com moderação de Luiz Guilherme Gerbelli, repórter de economia do Estadão, o encontro vai discutir como o Plano Nova Indústria Brasil pode contribuir para impulsionar, com responsabilidade fiscal, o crescimento econômico e a agenda de neo-industrialização e de economia verde. Participam do debate os economistas e conselheiros do Conselho Regional de Economia de São Paulo (Corecon-SP), Alessandra Ribeiro e Haroldo da Silva, e o coordenador do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Luis Paulo Bresciani.

Durante o encontro, os espectadores poderão enviar perguntas e interagir com os especialistas. A transmissão acontece de forma simultânea no canal do TV Economista no YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=xq8i1gzSs2A) e nas redes sociais do Corecon-SP (Facebook e LinkedIN)

O debate é uma iniciativa do ‘Fórum Jovens Economistas’ e das Comissões de ‘Economia em Debate’, ‘Mulher Economista’ e ‘Conjuntura Econômica’ do Corecon-SP e conta com apoio institucional do DIEESE.

Continue lendo

Negócios

Gcorp Trading: Por que estamos vivendo um corrida Internacional pelo Ouro

Publicado

em

De

– A Commodity mais complexa de todas.

O Mercado Internacional, desde o final do ano de 2022 está vivenciando uma verdadeira corrida pelo Metal mais nobre e conhecido de todos os tempos: Ouro.

Fomos atrás de uma das maiores especialistas e vendedoras de Ouro do Mercado Internacional, a Gcorp Trading, conhecida mundialmente por sua credibilidade, profissionalismo e capacidade de entrega das suas commodities para compreendermos: Estamos vivendo mais uma Era do Ouro?!

Em entrevista com o CEO da Gcorp Trading, Dr. Rodrigo Pavan, advogado empresarial internacional, especialista em antifraude e compliance, nos explicou como funciona o mercado internacional e porquê, realmente, SIM, há uma corrida desenfreada pelo Ouro (Au), no atual cenário geopolítico internacional.

“… O Mercado de Au (Ouro) sempre foi um mercado de estabilidade econômica entre a produção mundial legalizada e o consumo. O Au serve para lastrear moedas e ser Reserva Cambial de Governos, Reserva de Capital e Lastro Financeiro de Bancos, Investidores e Outros. Existe grandes mercados consumidores, tais como: Oriente Médio, Ásia, Europa e USA, além do mercado de alto luxo em todo o mundo. É o metal mais nobre de todos os tempos, mas não o de maior valor monetário. Ele se encontra no Grupo dos 05 metais mais preciosos do mundo, junto com a Prata e os metais do Grupo da Platina (que são os mais valiosos do mundo), mais escassos e com aplicações diferentes no mercado mundial.

Porém, em tempos de instabilidade econômica internacional, instabilidade do sistema bancário, alta volatilidade de moedas internacionais, conflitos armados e ameaças de guerras; a corrida pelo metal aumenta muito, gerando assim, um colapso entre a capacidade produtiva legalizada x demanda, podendo gerar o que mais encontramos no mercado: A tentativa vendas e compras não ortodoxas ou de origens duvidosas.

A Gcorp Trading, como vendedora internacional, exige do produtor/minerador todos os registros da produção/extração, legalização e pagamentos dos tributos correspondentes, além de somente trabalharmos com Au 100% legalizado em todos os Órgãos Competentes (Agências Federais, Banco Central, Polícia Federal e Receita Federal), desde a sua extração, seu refino e transferência logística, utilizando as empresas referências mundiais no setor”.
Outro aspecto destacado pelo CEO da Gcorp ao explicar sobre o Ouro (Au): “Trata-se de uma commodity extremamente valorizada e de fácil manejo e aceitação mundial. O nosso compliance exige uma criteriosa análise do comprador, sua prova de capacidade financeira (P.O.F), recursos 100% bancários dentre dos Top 18 Bancos Mundiais, garantia bancária internacional (SBLC), conhecimento pleno das atividades do comprador, evitando assim possíveis compradores com recursos oriundos do tráfico internacional de drogas, tráfico de armas, organizações criminosas, lavagem de dinheiro ou outros ilícitos, sendo obrigatória a manutenção prévia até a entrega da commodity a não alteração da sua forma/derretimento), visto que todos os lotes são rastreados até o pagamento final, razão pela qual, somente trabalhamos com Contratos Extensivos de 12 meses e não fazemos vendas de oportunidade (spot sell) ou realizamos trials.

O Au como commodity é vendido em barras físicas e não em título bancário. Assim, toda a segurança é mantida junto aos produtores/mineradores e aos Órgãos de Controle Internacionais, como a Interpol. A Gcorp Trading é inflexível quanto ao conhecimento do comprador e seus procedimentos operacionais. Não há espaços para “jeitinhos”, conversas ou desvirtuamento do objetivo final. A venda somente ocorrerá dentro dos parâmetros legais exigidos pela Gcorp, que possui relação direta com produtores/mineradores internacionais com capacidade produtiva de mais de 5.000kg por mês”.

Em tempos de instabilidade economia e geopolítica mundial podemos ter uma grande “corrida pelo ouro”, mas não significa que os compradores conseguirão burlar o sistema de compra/segurança, ainda mais com uma empresa fornecedora real, que dispõe do metal, mas que somente trabalha no estrito cumprimento da Lei Brasileira e Internacionais e não abre mão dos seus procedimentos. Por isso, a Gcorp Trading não para de se destacar no cenário mundial.

https://www.instagram.com/gcorptrading?igsh=MXU0dnF2MGV3dDlwNw==

Continue lendo

Destaque