Conecte-se Conosco

Cultura

Exposições com foco nas culturas indígena e africana são destaques em dezembro no Museu H. P. Índia Vanuíre

Publicado

em

Entre as terças e domingos do mês de dezembro, visitantes terão acesso a trabalhos produzidos pelos povos Terena e a uma linda coleção de bonecas africanas, além de conhecerem a riqueza de diversas etnias e terras indígenas; Haverá também exibição de um vídeo sobre a colonização do Brasil e atividades para a família durante os fins de semana

O Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre (MIV), instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo, promete uma programação incrível para os amantes de exposições, que podem incluir a visita em seus roteiros de férias.

Durante todo o mês, entre terça e domingo, das 9h às 18h, com exceção de quinta-feira, que a programação vai até às 20h, o Museu apresenta as exposições Grafismos e Artes Indígenas do Oeste Paulista, Cerâmica Terena: Preservando a Memória e a Tradição e Caminhos Inclusivos: A Arte Transformadora.

A exposição Grafismos e Artes Indígenas do Oeste Paulista destaca a riqueza cultural das etnias Kaingang, Krenak, Terena e Guarani Nhandewa, das Terras Indígenas Vanuíre, Icatu e Araribá nas paredes externas do museu. Essa atividade levará os visitantes a um universo artístico enriquecedor e reflexivo. Além do aspecto estético, a exposição é um compromisso de respeito e preservação cultural, amplia identidades e convida os visitantes a explorarem as histórias, tradições e valores transmitidos por essas expressões artísticas. A curadoria é realizada pelos próprios indígenas do Oeste Paulista, fortalecendo o empoderamento na representação de suas culturas.

Apresentando peças produzidas pelos povos Terena, habitantes das terras indígenas Icatu, em São Paulo, e Cachoeirinha, no Mato Grosso do Sul, como panelas, jarros, moringas e esculturas, a exposição Cerâmica Terena: Preservando a Memória e a Tradição destaca também depoimentos que valorizam e retratam as relações estabelecidas a partir da história, memória, cotidiano, transmissão do conhecimento entre gerações e a manutenção da tradição como um elo entre o passado e o presente. Vale a visita para conhecer algumas peças que fazem parte do acervo do museu e que foram doados ainda em 1970, e outras obras contemporâneas adquiridas ao longo dos anos.

Recentemente, o Museu Índia Vanuíre lançou a exposição temporária Caminhos Inclusivos: A Arte Transformadora, que reúne uma coleção de bonecas africanas e objetos artísticos, confeccionados a partir de materiais recicláveis. As obras singulares foram criadas a partir de duas iniciativas inspiradoras: o projeto O Olhar é o Sentir pelas Mãos, uma ação conjunta sociocultural, realizada em parceria com o Programa Vida Iluminada – UNIMED, para promover a inclusão dos deficientes visuais para que eles se tornem frequentadores do Museu, e o projeto “Aguçando as Memórias”, que tem como público-alvo os idosos e o seu objetivo é a valorização e a inserção destes na sociedade, reconhecendo-os como cidadãos ativos e produtores de cultura.

E, nos fins de semana de 9, 10, 16, 17/12 (sábados e domingos), das 10h às 16h, as famílias são convidadas a participar de uma experiência lúdica e reflexiva no ambiente museológico ainda celebrando o Natal. A atividade Família no Museu será realizada pelo Núcleo de Educação e oferecerá a todos os participantes alguns moldes em EVA para a criação e personalização de suas próprias árvores de Natal, além de uma variedade de materiais decorativos.

AINDA NESTE MÊS

Mais para o fim do mês, no dia 29 de dezembro, às 9h e às 14h, o Museu Índia Vanuíre, por meio do projeto Cultura e Questões Indígenas em Foco, exibirá o vídeo As Guerras da Conquista da série Guerras do Brasil, que destaca a persistência da conquista mesmo após mais de 500 anos, evidenciando sua vitalidade e explora a chegada, a ocupação e a colonização do Brasil pelos europeus, abordando temas como evangelização, dominação, exploração e resistência indígena, e destacando a dizimação da população indígena ao longo da história e a persistente luta, especialmente pela demarcação de terras, lançando luz sobre os conflitos atuais relacionados às questões indígenas no Brasil.

Todas as atividades são gratuitas. Aproveite o período de férias e visite o Museu!

SERVIÇO

Exposição Temporária “Grafismos e Artes Indígenas do Oeste Paulista”

Datas: durante todo o mês, de terça-feira a domingo

Horário: das 9h às 18h, exceto às quintas-feiras, que a programação vai até às 20h

Exposição Temporária “Cerâmica Terena: Preservando a Memória e a Tradição”

Datas: durante todo o mês, de terça-feira a domingo

Horário: das 9h às 18h, exceto às quintas-feiras, que a programação vai até às 20h

Exposição Temporária “Caminhos Inclusivos: A Arte Transformadora”.

Datas: durante todo o mês, de terça-feira a domingo

Horário: das 9h às 18h, exceto às quintas-feiras, que a programação vai até às 20h

Cultura e Questões Indígenas em Foco

Data: 29/12

Horário: às 9h e às 14h

Família no Museu

Datas:  9, 10, 16, 17/12

Horário: das 10h às 16h

Local: Museu H. P. Índia Vanuíre

Funcionamento: terças, quartas, sextas, sábados e domingos, das 09h às 18h; quintas, das 9h às 20h. Nos dias 24 e 31 de dezembro, o MIV estará aberto até às 13h e fechado em 25 de dezembro e 1º de janeiro de 2024.

Endereço: Rua Coroados, 521, Centro, Tupã – SP

Instagram: @museuindiavanuire

Facebook: / museuindiavanuire/

Continue lendo

Cultura

Veleiro Witness, do Greenpeace, vem ao Brasil para expedição científica na bacia da Foz do Amazonas

Publicado

em

De

Chega a Belém (PA), em 28 de fevereiro, o veleiro Witness, a mais nova embarcação do Greenpeace. A presença do Witness em águas brasileiras é parte da expedição Costa Amazônica Viva, do Greenpeace Brasil, que, entre outras atividades, vai fomentar o aprofundamento de conhecimento científico sobre a costa do Amapá, e os potenciais impactos da exploração de petróleo na região.

Em um contexto de abertura de novas fronteiras de exploração de petróleo na Amazônia, em áreas extremamente sensíveis do ponto de vista socioambiental e insuficientemente conhecidas pela ciência, o objetivo da expedição científica é coletar dados sobre as correntes marítimas da região. Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA), responsáveis pelo estudo, lançarão derivadores (equipamentos oceanográficos que emitem sinais de localização GPS) em diferentes pontos da Bacia da Foz do Amazonas para mapear as correntes de superfície no litoral do Amapá.

A expedição permitirá, entre outros objetivos, a obtenção de mais informações sobre a dinâmica das águas costeiras e oceânicas na bacia da Foz do Amazonas, que sofrem influência direta da descarga de águas do rio Amazonas.

O estudo busca contribuir para um entendimento mais acurado sobre a trajetória de eventuais vazamentos de petróleo, já que não há um consenso científico sobre tais dinâmicas. Pelo contrário, há um dissenso fundamental: as modelagens de dispersão de óleo apresentadas pela Petrobras, que indicavam que ele não chegaria até a costa foram recebidas com ceticismo por oceanógrafos de renomadas instituições do país.

Ainda há incertezas em relação ao risco do petróleo derramado atingir a costa amazônica, os manguezais, os rios, terras indígenas, açaizais e lavouras da região. Esses dados também são centrais para que a empresa apresente ações de prevenção e mitigação de impactos do óleo.

A modelagem da Petrobras contraria, ainda, relatos de comunidades indígenas e pescadores da região, que não tiveram suas vozes ouvidas, e afirmam reiteradamente que diversos objetos caídos em alto-mar já chegaram à costa do Amapá, aos rios e mangues do Oiapoque.

Além do mapeamento das correntes marinhas superficiais, que vem inclusive da oitiva desses relatos das comunidades locais, a expedição trará a percepção de povos indígenas e outros atores do território sobre a questão do petróleo na região, além de documentar os ambientes costeiros e Unidades de Conservação, mostrando a importância socioambiental da costa amazônica.

Com a expedição, o Greenpeace pretende fomentar o debate público em relação aos potenciais impactos do petróleo na região, cobrar responsabilidade das entidades de Estado (e o próprio governo) para que os povos do território e a ciência sejam escutados e que se respeite o Princípio da Precaução – que prevê a não implementação de projetos sem que haja consenso científico em relação à região e os potenciais impactos das atividades.

O Witness possui 22,5 metros de comprimento e, devido à elevação da quilha e do leme, é capaz de navegar em águas rasas e inacessíveis a barcos maiores. Adaptações tecnológicas promovidas na embarcação em 2022 visam tornar o veleiro mais ecológico e incluem células solares, turbinas eólicas e um sistema otimizado de gerenciamento de energia.

Continue lendo

Cultura

Estrela Do Terceiro Milênio É Campeã De 2024 Do Grupo De Acesso 1

Publicado

em

De

No Jubileu de Prata da escola, ano de comemoração dos 25 anos de fundação, a Milênio trouxe novamente o caneco para o Grajaú e garante a vaga para o grupo Especial em 2025.

Com o tema “Vovó Cici conta e o Grajaú canta: o mito da criação”, desenvolvido pelo carnavalesco Murilo Lobo, a agremiação apresentou na passarela do samba o enredo afro-religioso inspirado como a griô Cici de Oxalá conta para as crianças como os orixás criaram o mundo em que vivemos, através da mitologia iorubana. De forma lúdica, alegre e muito colorida, a Milênio passou leve e pulsante na Avenida ao ritmo da bateria Pegada da Coruja, conduzida pelo mestre Vitor Velloso.

“Fizemos um trabalho intenso e muito focado para retornar ao Especial. Optamos por um enredo emocionante e vovó Cici é muito encantadora e conquistou nossa comunidade e o mundo do Carnaval. Estamos felizes demais e o Grajaú também. Agora para o ano que vem contamos com todo povo do Grajaú para chegarmos pesado no Especial. Lembrando que nossas fantasias são gratuitas para alas e composições de alegorias e ensaios”, conta Silvão Leite, presidente e fundador da escola. Esse ano o projeto de Carnaval contou com a Lei de Incentivo à Cultura Pronac 231927.

Além da comunidade que empolgou o público, destaque para samba-enredo, trilha sonora interpretado por Grazzi Brazil e Darlan Alves que empolgaram o Anhembi e convidaram o público a cantar com os componentes durante o desfile. Esse é o 7° título da história da agremiação. Quem não viu o desfile pode rever pelo YouTube da LigaSP no link: https://www.youtube.com/watch?v=shLLEMMelyo&t=6s

Continue lendo

Cultura

Quem é Vandeuarley? O secretário de finanças integradas do Clube Nacional de Artistas do Brasil, que está ganhando destaque

Publicado

em

De

Vandeuarlei de Jesus Cardoso, mais conhecido como Vandeuarley, nasceu em 25 de setembro de 2002, em Tanque Novo, Bahia. Este talentoso artista musical, rapper, ator e compositor brasileiro tem conquistado os holofotes desde muito jovem. Hoje, ele se destaca como secretário de finanças integradas do Clube Nacional de Artistas do Brasil, trazendo uma abordagem inovadora para estabilizar as finanças da organização.

Sua trajetória começou aos 15 anos, e aos dezoito, já se destacava no cenário artístico. A parceria com Arlyson Gomes, seu amigo e colega no Clube Nacional de Artistas, impulsionou sua popularidade, marcando uma fase de grande sucesso em sua carreira. Entre seus hits estão “Deixa Eu Cantar” (2019), “Como a Motoca Fazem?” (2020) e “Simone” (2021), consolidando-o como um dos artistas mais reconhecidos de Tanque Novo, Bahia.

Vandeuarley não se limita apenas à música. Ele também é reconhecido por suas atuações teatrais e pela capacidade de envolver o público em suas performances. Além disso, sua presença nas redes sociais, especialmente no Instagram, tem gerado uma base de fãs dedicada e crescente.

Formado pelo Colégio Estadual de Tanque Novo e pelo Instituto Saber Consciente, Vandeuarley traz consigo não apenas talento, mas também uma visão estratégica para a gestão financeira do Clube Nacional de Artistas. Sua proposta de um sistema colaborativo de arrecadação de taxas demonstra seu compromisso em levar a organização a novos patamares de sucesso e estabilidade financeira. Com Vandeuarley à frente das finanças, a gestão de Arlyson Gomes alcança um novo nível de excelência e eficiência dentro do clube, solidificando ainda mais sua posição como um dos principais pilares do cenário artístico brasileiro.

Continue lendo

Destaque