Conecte-se Conosco

Negócios

Keyla Piccoli celebra terceira edição do Método GPS

Publicado

em

Após 20 anos de uma carreira bem-sucedida como Analista de Sistemas, incluindo oito anos trabalhando para o Governo de Angola, Keyla Piccoli fez uma mudança completa em sua carreira e se tornou uma renomada e reconhecida Master Coach. Formada por uma instituição conceituada na área de Inteligência Emocional e Desenvolvimento Pessoal, ela realizou mais de 15 formações e continua buscando constantemente novos conhecimentos para ajudar seus clientes, há mais de 06 anos.

Potencializar vidas e negócios com a poderosa ferramenta da Inteligência Emocional é o que Keyla faz de melhor. Sua experiência adquirida no mundo corporativo agrega valor significativo ao atender seus clientes como Business Coach. Sua carreira é fundamentada nos valores de responsabilidade, ética, comprometimento e entrega de alto valor, sendo um diferencial importante para ela.

Atualmente, Keyla já atendeu mais de 70 clientes individualmente, totalizando mais de 1500 horas de atendimento. Além disso, ela ministra palestras em diversos países e oferece mentorias coletivas, mais de 2500 pessoas passaram por suas mãos.

Keyla sempre começa suas palestras e imersões compartilhando seu maior caso de sucesso: ela mesma. Ela vive e acredita no processo, pois tudo começa com ela mesma.

Keyla é a criadora do Método GPS das Emoções – Guia de Performance para o Sucesso. A terceira edição, que foi realizada em um hotel cinco estrelas em Lisboa, foi um sucesso retumbante, com uma sala cheia de pessoas impactadas por esse método desenvolvido após mapear as dores, demandas emocionais e objetivos não alcançados de seus clientes.

O GPS das Emoções é registrado em Portugal, em toda a Europa e no Brasil, ou seja, é uma marca e um método fortes.

O Método GPS – Guia de Performance para o Sucesso é um programa abrangente desenvolvido para ajudar as pessoas a alcançarem o sucesso em diferentes áreas de suas vidas. Ele combina estratégias, técnicas e ferramentas que visam maximizar o desempenho e o potencial de cada indivíduo. O método aborda vários aspectos, incluindo desenvolvimento pessoal, definição de metas claras, gerenciamento do tempo, melhoria da produtividade, aprimoramento de habilidades e construção de uma mentalidade positiva.

O Método GPS oferece um guia passo a passo para ajudar as pessoas a identificarem seus objetivos, criarem um plano de ação eficaz e superarem obstáculos ao longo do caminho. Ele promove o autoconhecimento, a automotivação e a construção de hábitos saudáveis para alcançar resultados significativos.

Ao participarem da imersão e do Método GPS, os participantes são incentivados a se comprometerem com seu próprio crescimento e desenvolvimento, assumindo a responsabilidade por suas ações e buscando constantemente o aprimoramento pessoal e profissional.

Atualmente, Keyla treina e desenvolve a liderança de mulheres e homens, acreditando que todas as pessoas são líderes de suas próprias vidas e negócios. Ela utiliza ferramentas poderosas para auxiliar em todo o processo.

Uma característica marcante de Keyla é seu compromisso em não abandonar seus clientes. Ela oferece acompanhamento durante toda a jornada, sendo essa uma de suas marcas registradas. Ao longo de sua consolidada carreira, Keyla recebeu centenas de depoimentos e agradecimentos de seus clientes.

Keyla é treinadora de líderes, treinadora comportamental, Business Coach e Life Coach. Hoje, ela prega que com emoções inteligentes e estratégias facilitadoras, todos nós podemos ser, fazer e ter tudo o que desejamos.

Continue lendo
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Negócios

Cresce o número de pessoas com deficiência qualificadas em tecnologia pelo programa do Serratec

Publicado

em

De

Busca ativa e melhoria dos recursos de acessibilidade da Residência em TIC do Serratec levaram ao aumento de 82% de procura por parte de pessoas com deficiência no último processo seletivo

A Residência em TIC do Serratec é uma capacitação por imersão, ágil e gratuita para a área de tecnologia, realizada pelo Serratec – Parque Tecnológico da Região Serrana, em parceria com Firjan Senai, Sinditec, Senac, universidades, órgãos governamentais e empresas parceiras.

Trata-se de uma inovação social que visa ampliar a oferta de profissionais para o crescente e dinâmico setor de tecnologia, orientar a capacitação às demandas do mercado e gerar impacto social. Desde 2019, quando foi criado, o programa já qualificou mais de mil profissionais digitais e vem transformando empresas de base tecnológica e a vida de centenas de pessoas na região.

Os resultados são auspiciosos, mas o Serratec vinha se sentindo insatisfeito com indicadores das ações afirmativas do Programa, segundo a Gerente Executiva do Parque Tecnológico, Thaís Ferreira, principalmente no que se referia à participação de pessoas com deficiência – a quem vamos nos referir como “pessoas com diversidade funcional” e que abrange um amplo espectro, incluindo pessoas com mobilidade reduzida, baixa visão, cegas, surdas, neuro diversas – como quem tem transtorno do espectro autista (TEA), por exemplo -, entre outras.

Ao longo dos quase cinco anos do programa, apenas 11 pessoas com diversidade funcional concluíram o curso, sendo a maioria desse público com diversidade física, segundo o Serratec. “Apesar da política de ações afirmativas, percebemos que o programa não vinha recebendo muitas candidaturas de pessoas com diversidade funcional. E fomos buscar entender o porquê. O desafio é muito grande, porque não basta disponibilizarmos as vagas, a comunicação precisa ser acessível e o ambiente precisa estar preparado para receber pessoas diversas, porque o “problema” não está nas pessoas e sim nas estruturas e esse ajuste de perspectiva, de olhar, é fundamental para a mudança acontecer. Além de, claro, a comunicação”, explica Thaís.

Mas no último processo seletivo, iniciado em janeiro de 2024, o Programa registrou um aumento de 82% de interesse por parte desse público, se comparado com o ciclo de formação anterior, do segundo semestre de 2023. Esse indicador na inscrição também refletiu na matrícula, com incremento de 50% de pessoas com diversidade funcional cursando o programa em 2024.1. “Fizemos adaptação do material didático, treinamento e recursos instrutivos para professores e monitores, estamos ajustando as etapas do processo seletivo, recebendo assessoria continuada e aprendendo como podemos ser cada vez mais inclusivos para que o programa possa, realmente, oferecer oportunidades para todas as pessoas. Além dos ajustes internos, também trabalhamos na busca ativa deste público e isso resultou no maior índice que tivemos até o momento [considerando um ciclo de formação] de pessoas com diversidade funcional interessadas e, consequentemente, matriculadas. Celebramos muito esse resultado, mas não posso negar que seguimos ainda com muito trabalho a fazer”, complementa a Gerente Executiva, ressaltando que as mudanças estão sendo implementadas com o apoio da Biomob Soluções Inovadoras para Acessibilidade, startup especializada, associada ao Serratec e parceira do Parque Tecnológico na temática.

Para o ingresso na Residência em TIC do Serratec, candidatas e candidatos participam de um processo seletivo que não avalia currículo nem experiência anterior na área, mas o perfil cognitivo para tecnologia e demanda alguns requisitos, como ter pelo menos o Ensino Médio concluído (no quesito escolaridade), declarar baixa renda, morar nas cidades da Região Serrana participantes e apresentar disponibilidade para encarar a imersão de 770 horas em cinco meses. Além das ações afirmativas para pessoas com diversidade funcional, mulheres, pessoas negras e quem estudou em escola pública também são públicos prioritários do Programa.

Mercado aquecido e oportunidades

Estudos feitos pela Brasscom – Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais demonstram que as empresas brasileiras de tecnologia devem demandar 797 mil talentos entre 2021 a 2025, prevendo um déficit anual de 106 mil, ou 530 mil talentos nesses cinco anos. Ou seja, um mercado com muitas oportunidades. Estudos da mesma instituição também indicam que a presença de pessoas com diversidade funcional no mercado de tecnologia brasileira ainda é pequena. Apenas 0,8% das vagas do setor são ocupadas por esse público.

Quando perguntado sobre esse baixo índice, Valmir Souza, Diretor de Operações (COO – Chief Operating Officer) da Biomob, prefere, num primeiro momento, destacar que o ambiente da tecnologia é o mais propício para a inclusão de pessoas com diversidade funcional. “Apesar da inclusão ainda ser uma questão que precisa ser muito trabalhada, o setor de TI, pelas atividades desenvolvidas, é uma excelente porta para a temática. Se houver um desenvolvedor surdo, mas que seja bom de codar [programar], não há muitos desafios ocupacionais a serem encarados, frente à diversidade funcional dele, por exemplo. Ou, se esse profissional programador for uma pessoa autista e tiver hiperfoco, vai render muito mais do que uma pessoa que não tem hiperfoco. Para pessoas cegas, ainda há muitos desafios nas ferramentas disponíveis, mas uma pessoa com essa diversidade funcional pode ter um desempenho e boas contribuições em UX ou UI [áreas de atuação voltadas à experiência e à interface de usuário]. Ou seja, se tem um setor que pode incluir e contratar pessoas com diversidade funcional é o de tecnologia”, destaca o COO, ressaltando, entretanto, que para que isso aconteça e o problema se transforme em uma oportunidade, “barreiras ainda precisam ser derrubadas e adequações, feitas, tanto nos processos, conteúdos e abordagens pedagógicas de programas de qualificação para tecnologia quanto mudanças de atitude, infraestrutura, políticas e treinamento nas empresas. É preciso querer fazer, dar os primeiros passos”, conclui.

O Serratec reconhece que se trata de uma “jornada” e por essa razão é preciso falar sobre os aprendizados adquiridos ao longo do caminho. “Além do que deu certo, temos também que falar sobre o que não funcionou e não funciona, porque acreditamos que erros cometidos e barreiras identificadas orientam para melhorias e podem apoiar também outras organizações que estão comprometidas com a agenda”, destaca Cicilia Paraquett, coordenadora da Residência em TIC do Serratec. “Houve uma ocasião, por exemplo, em que recebemos uma candidata com baixa visão, mas ela não conseguiu dar prosseguimento ao processo seletivo porque uma das etapas não estava preparada para pessoas com a diversidade funcional que ela trazia.

Fizemos ajustes no processo seletivo e ainda seguimos empreendendo melhorias. Cada pessoa com diversidade funcional que procura o programa é uma oportunidade para melhorarmos nosso processo e nossos recursos”, avalia a coordenadora.

O Serratec também acredita que para mudar essa realidade é preciso o envolvimento de toda uma cadeia. “É uma jornada desafiante, mas gratificante. Percebemos que não estamos sozinhos quando passamos a encontrar novos parceiros no caminho, sejam instituições especializadas no assunto, sejam parceiros executores, fornecedores, consultores, professores, empresas, pessoas que atuam nos diversos setores e passam a se comprometer com mudança”, comemora Cicília, trazendo o exemplo do parceiro Senai, que a partir deste ciclo de formação incorporou ao corpo docente uma pessoa intérprete de libras para apoiar um aluno surdo e os professores do Programa. “Ficamos muito felizes de ter a oportunidade de contribuir para que o programa seja mais acessível e adequado.

Compartilhamos desse olhar da inclusão e é gratificante ter a oportunidade de trazer uma educação de qualidade e adequada para todos os participantes”, sinaliza Milena Cariello, Coordenadora Operacional de Educação Profissional da Firjan/Senai.

Um desses novos profissionais digitais e com diversidade funcional formados pela Residência em TIC do Serratec é o Lucas Seljan, que tem 26 anos, mora em Petrópolis e tem síndrome de Treacher Collins, uma má formação crânio-facial que pode gerar perda auditiva e de visão. Lucas cursou o Programa em 2023.2 e conta que precisou de apoio durante o curso, especificamente em questões que envolviam a necessidade de interação social para o processo de aprendizado. “Foi uma jornada intensa, com muitos altos e baixos, porque o curso é puxado. Os desafios se intensificaram um pouco mais porque houve momentos, nas aulas, nos trabalhos em grupo, em que eu tinha dificuldades de compreender por conta da minha perda auditiva. Mas tanto professores, quanto monitores e colegas sempre tiveram paciência e disposição de querer ajudar. Senti abertura para pedir que repetissem, sempre que eu precisava. Além disso, o fato do curso ser à distância, me possibilitando usar os meus recursos a partir da minha casa, conseguir assistir às aulas com o som alto, no meu ambiente, isso também ajudou muito”, lembra Lucas, que hoje está empregado como desenvolvedor de automação no Centro de Serviços Compartilhados da Orange em Petrópolis – uma empresa global de origem francesa e uma das principais operadoras de telecomunicações e provedora de serviços digitais para empresas multinacionais do mundo -, associada ao Serratec e parceira do Programa. Na função profissional que exerce atualmente, Lucas conta que, da mesma forma, não encontra nenhum desafio técnico frente a sua diversidade funcional, “senão as dificuldades que eu já levo em toda minha vida, por conta da perda auditiva”. Lucas iniciou uma graduação em jogos digitais e trancou para fazer a Residência.

Ele tem planos de logo retomar o curso de formação, “assim que percorrer um pouco mais esta etapa inicial na Orange, que tem requerido bastante de mim para me aprofundar nas tecnologias com as quais a empresa opera”. E, ao ser perguntado sobre o futuro: “Quero aprender mais de automação e quero desenvolver meus próprios jogos digitais. Esse é meu sonho, entrar no mercado de jogos digitais brasileiro com jogos que eu possa criar”, conclui.

“Adaptar nosso programa de qualificação profissional é importante e um grande avanço, mas também devemos ir além, apoiar as empresas, que devem ser encorajadas e precisam estar, de verdade, preparadas para a diversidade, para acolherem esses profissionais. Veremos resultados reais quando pessoas com diversidade funcional conseguirem se capacitar, ingressar no mercado de tecnologia, serem valorizadas, reconhecidas e prosperarem a partir de suas capacidades, habilidades e competências. Aí teremos reconhecido que o trabalho foi plenamente bem sucedido”, conclui Thaís.

Continue lendo

Negócios

Profissionais propagandistas de empresas farmacêuticas: desafios e direitos trabalhistas

Publicado

em

De

No universo complexo das relações de trabalho, os profissionais propagandistas de empresas farmacêuticas e correlatas desempenham um papel crucial, atuando como elos entre os fabricantes e os profissionais de saúde. Apesar da importância de seu trabalho, muitas vezes esses profissionais enfrentam desafios específicos e necessitam de uma compreensão detalhada de seus direitos trabalhistas.

Segundo dados disponíveis, o Brasil conta com um número expressivo de profissionais atuando nesse setor. De acordo com o Conselho Federal de Representantes Comerciais (CONFERE), existem mais de 800 mil representantes comerciais atuantes no país, englobando diversos segmentos, incluindo o farmacêutico.

Juliane Garcia de Moraes, advogada especialista em Direito do Trabalho da Moraes Advocacia, destaca a importância de compreender os direitos específicos desses profissionais. “Os propagandistas de empresas farmacêuticas, assim como todos os trabalhadores, possuem direitos garantidos pela legislação trabalhista. No entanto, é fundamental entender as particularidades de sua função para assegurar o cumprimento adequado desses direitos”, afirma.

Entre os principais direitos trabalhistas dos propagandistas, destacam-se:

  • Jornada de trabalho: Conforme a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a jornada de trabalho desses profissionais não pode ultrapassar o limite legal estabelecido, respeitando-se as horas extras quando necessário.
  • Remuneração adequada: Os propagandistas têm direito a uma remuneração justa, incluindo salário fixo, comissões e benefícios previstos em contrato ou em acordos coletivos.
  • Intervalo intrajornada: Devem ser concedidos intervalos durante a jornada de trabalho, garantindo a saúde e o bem-estar do trabalhador, conforme estabelecido pela legislação.
  • Reembolso de despesas: Os gastos relacionados ao deslocamento e outras despesas necessárias para o exercício da função devem ser reembolsados de acordo com o que foi acordado entre as partes ou estabelecido pela empresa.
  • Respeito à dignidade: Assim como qualquer trabalhador, os propagandistas têm direito a um ambiente de trabalho seguro e saudável, livre de assédio e discriminação.

É fundamental que os profissionais estejam cientes de seus direitos e busquem auxílio legal sempre que necessário para garantir seu cumprimento. “A orientação jurídica especializada pode auxiliar os propagandistas a entenderem seus direitos e a buscar soluções em caso de eventuais irregularidades por parte das empresas”, ressalta Juliane Garcia de Moraes.

Em um mercado tão dinâmico como o farmacêutico, onde a concorrência é acirrada e as demandas dos profissionais são diversas, compreender e defender os direitos trabalhistas é essencial para garantir relações laborais justas e equilibradas.

Sobre a Dra Juliane Moraes e o escritório Moraes Advocacia

A Dra. Juliane Garcia de Moraes é uma destacada advogada trabalhista com mais de 15 anos de experiência na área, tornando-se uma referência nacional, especialmente em questões ligadas à saúde no trabalho. Sua formação acadêmica é sólida, com graduação pela Fundação Eurípedes Soares da Rocha, Univem, em Marília-SP, e aprimoramento através de cursos de especialização e extensão pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e pela Escola Superior de Advocacia da Ordem dos Advogados do Brasil (ESA-OAB).

Desde 2008, a Dra. Juliane dedica-se à defesa de bancários, com atuação destacada tanto em direitos individuais quanto coletivos do trabalho. Sua expertise inclui uma colaboração significativa junto à AGEBB – Associação dos Gerentes do Banco do Brasil, onde tem contribuído para a promoção e defesa dos direitos dos trabalhadores do setor bancário.

À frente do escritório Moraes Advocacia, a Dra. Juliane Garcia de Moraes e sua equipe oferecem serviços jurídicos especializados em direito trabalhista, direito trabalhista bancário, direito civil e direito digital. O escritório é reconhecido pela sua ampla experiência e pela abordagem personalizada na solução de casos, muitos dos quais de grande repercussão no cenário nacional.

Para mais informações sobre a Dra. Juliane Garcia de Moraes e o escritório Moraes Advocacia, acesse o site https://moraes-advocacia.com

Continue lendo

Negócios

Empresário e médico Stanley Bittar impulsiona ações de auxílio ao RS

Publicado

em

De

Foco é ajudar pessoas com serviços médicos, remédios e doações diversas 

O empresário e médico Stanley Bittar, CEO da Stanley’s Holding, que atua em diversos setores, incluindo educação, saúde, beleza, bem-estar, tecnologia, investimento, fintechs e startups, está liderando uma série de ações de auxílio ao estado do Rio Grande do Sul (RS).

Desde o início da semana, as empresas do grupo vêm destinando parte do faturamento para ajudar as vítimas das enchentes, assim como organizando doações de colchões, alimentos e outros itens. “Não vamos parar de ajudar até que essa catástrofe termine. É nossa obrigação fazer isso pelas pessoas que estão precisando nesse momento. Acreditamos que a ajuda mútua pode ajudar a transformar o mundo ao nosso redor”, afirma Stanley Bittar.

Ele explica que são várias as ações da Stanley´s Holding com foco em ajudar o RS, especialmente com relação à área médica. “Além das doações em dinheiro e itens de necessidade básica, estamos destinando toda a renda obtida em diversas aulas para ajudar. Também disponibilizamos um software de telemedicina para a realização de atendimento médico das pessoas nos centros de apoio, e todos os médicos do grupo de mentoria, cerca de 30, estão ajudando de alguma forma. Assim, conseguimos atender e emitir receitas quando necessário”, conta.

A farmácia de manipulação pertencente ao grupo e localizada no Rio Grande está fabricando medicamentos, ainda que, segundo o empresário, esteja lidando com dificuldades, como a falta de água para manipulação. “Pretendemos mandar uma carreta com água potável ou um caminhão cisterna para lá o quanto antes para que possamos dar andamento à ação. Nosso objetivo é ajudar especialmente com apoio médico, pois imaginamos a dificuldade de quem perdeu tudo e precisa de atendimento e remédios neste momento”, diz Stanley.

Para ajudar e estimular o recebimento de doações de itens como roupas de frio, calçados, produtos de higiene pessoal e remédios, todas as unidades do grupo Stanley – mais de 30 – espalhadas pelo Brasil passam a receber doações também. “Estamos pensando em todas as formas de prestar suporte neste momento tão difícil. E nossos colaboradores também estão auxiliando como podem. Eles decidiram, inclusive, doar R$ 25 mil que ganharam de em uma gincana interna para as vítimas do RS”, finaliza.

Confira alguns endereços onde é possível realizar doações:

São Paulo:
Av.Indianópolis, 1455 – Indianópolis
Rua Emília Marengo, 652 – Vila Regente Feijó

Barueri:
Alameda Grajaú, 60 – sala 2114 – Alphaville

Rio de Janeiro:
Av. Ator José Wilker, 600 – Bloco 1 loja 105 – Barra da Tijuca
Sobre Stanley Bittar

Stanley Bittar é empresário com mais de 20 anos de experiência em cirurgia plástica. Mestre em medicina estética e palestrante renomado, sua trajetória é marcada por um espírito empreendedor indomável, que o levou a se tornar referência internacional em transplantes capilares.

Como CEO da Stanley’s Holding, Stanley lidera um grupo que atua em diversos setores, incluindo educação, saúde, beleza, bem-estar, tecnologia, investimento, fintechs e startups, todos integrados em um ecossistema completo com mais de 1000 colaboradores. Também é fundador da Stanley’s Hair, uma rede de clínicas de transplante capilar que se tornou a número 1 da América Latina. Seu grande sonho sempre foi democratizar o acesso ao transplante capilar no Brasil e no mundo e assim tem feito. Para mais informações acesse o instagram @stanleybittar e www.stanleybittar.com

(Fotos: Bernardo Coelho)

Continue lendo
Propaganda

Destaque