Conecte-se Conosco

Cinema

34º CURTA KINOFORUM DESTACA CINEMAS INDÍGENAS BRASILEIROS E FILMES DE GODARD E ZÉ CELSO

Publicado

em

*** Festival Internacional de Curtas de São Paulo acontece de 24/08 a 3/09, com entrada franca

*** evento exibe 301 filmes, representando 53 países, na Cinemateca Brasileira, CineSesc, CCSP, Espaço Itaú de Cinema e MIS

*** retrospectivas reúnem obras de três importantes cineastas indígenas brasileiros: Olinda Tupinambá, Priscila Tapajowara e Takumã Kuikuro

*** homenagem em sessão ao ar livre celebra Jean-Luc Godard e José Celso Martinez Corrêa

*** argentino Juan Pablo Zaramella ganha ampla retrospectiva de sua obra, apresenta “Luminaris, o curta mais premiado de toda a história do cinema, e conversa com o público

*** atriz Gilda Nomacce é a homenageada em 2023

*** filmes inéditos de Beto Brant e Thais Fujinaga têm pré-estreia mundial

*** na programação estão curtas dirigidos por Anna Muylaert, Tata Amaral, Eliane Caffé, Toni Venturi, Alain Fresnot, Roberto Moreira e Cao Hamburger

*** entre os curtas brasileiros e filmes estrangeiros das mostras Internacional, Latino-Americana, Horizontes, Limite e Infantojuvenil, destacam-se obras premiadas e elogiadas nos festivais de Cannes, Berlim, Veneza, Sundance, Roterdã, Locarno, Tribeca

*** nos elencos dos curtas estão nomes como Zezé Motta, Elias Andreato, Jessica Ellen, Tonico Pereira, Everaldo Pontes, Rolando Boldrim, Teca Pereira, Vera Valdez, Leona Johvs, Camila Márdila, Dandara Pagu, Grace Passô e Babu Santana

*** clássicos do cinema brasileiro de curta duração trazem assinaturas de Glauber Rocha, Leon Hirszman, Joaquim Pedro de Andrade, Andrea Tonacci, Humberto Mauro, Aloysio Raulino e Olga Futemma

*** Retrospectiva Prêmio Estímulo traz títulos paulistas estrelados por Carla Camuratti, Ney Latorraca, Rosi Campos, Sandra Annenberg, Jonas Bloch, Edson Celulari e Marco Ricca

*** Circuito Cinema na Comunidade leva títulos do evento a 40 pontos de exibição da Região Metropolitana de São Paulo

Com a mais robusta programação dos últimos anos, o 34º Curta Kinoforum Festival Internacional de Curtas de São Paulo – apresenta 301 filmes, representando 53 países. Com todas as atividades gratuitas, o evento acontece de 24/08 a 3/09, ocupando 44 salas de cinema e pontos de exibição na Região Metropolitana de São Paulo.

Entre suas principais atrações, o evento traz o último filme do cineasta francês Jean-Luc Godard (1930-2022), “Trailer do Filme Que Nunca Existirá: ‘Guerras de Mentira’”. O curta ganha projeção especial ao ar livre acompanhado de “O Parto”, obra realizada por José Celso Martinez Corrêa (1937-2023) e Celso Luccas em Portugal em 1975.

Uma ampla programação apresenta e discute a recente cinematografia indígena brasileira, com retrospectivas dedicadas a três autores de destaque dessa cena: Olinda Tupinambá, Priscila Tapajowara e Takumã Kuikuro. O festival programou também obras de outros cineastas indígenas. Há espaço para uma trilogia realizada por cineastas Yanomami que vai estar no próximo Festival de Veneza e para filmes sobre questões ligadas aos povos originários dirigidos por cineastas não indígenas. É o caso do inédito “Onde a Floresta Acaba”, que recupera as viagens com o jornalista britânico Dom Phillips, assassinado na Amazônia, em sessão que será acompanhada pela viúva de Philipps, Alessandra Sampaio.

É farta a presença de atrizes e atores consagradas entre os curtas exibidos no festival. Entre os nomes mais conhecidos presentes em títulos recentes e em retrospectivas da programação estão Zezé Motta, Elias Andreato, Edson Celulari, Carla Camuratti, Ney Latorraca, Rosi Campos, José Rubens Chachá, Sandra Annenberg, Jonas Bloch e Marco Ricca e Grace Passô.

Diretores com carreira reconhecida assinam trabalhos em pré-estreia mundial, como “Gado Novo”, de Beto Brant, e “Quinze Quase Dezesseis”, de Thais Fujinaga, ao lado de obras recentes de Anna Muylaert (“O Nosso Pai”) e Cristiano Burlan (“O Condutor da Cabine”).

Há filmes premiados e elogiados nos principais eventos cinematográficos planetários, como os festivais de Cannes, Berlim, Veneza, Locarno e Roterdã. Ao mesmo tempo, a programação reúne diversos curtas-metragens que abordam questões LGBTQIA+, meio ambiente, negritude, pessoas com deficiência e ativismo político e social.

Responsável por Luminaris, o curta mais premiado de toda a história do cinema, o animador argentino Juan Pablo Zaramella ganha retrospectiva e conversa com o público. A atriz brasileira Gilda Nomacce, cuja carreira acumula participação em 47 obras, é homenageada. Já o diretor Djalma Limongi Batista (1947-2023) tem sua inovadora produção de filmes curtos revisitada e discutida em um debate.

A emergente cena audiovisual do interior do estado de São Paulo volta a ser atração no Curta Kinoforum, com obras realizadas na região do Vale do Paranapanema (o inédito “Despovoado, Ou Tudo Que a Gente Podia Ser”, de Guilherme Xavier Ribeiro), nas cidades de Marília e Vera Cruz (“Habitar”, de Antonio Fargoni) e Rio Claro (“Arrimo”, de Rogério Borges).

Uma nova seção permanente é inaugurada este ano, a Mostra Horizontes, com obras recentes, brasileiras e estrangeiras, protagonizadas por personagens e temáticas jovens. Também com curtas da mais recente safra produzidos em diferentes países, continuam na programação as tradicionais Mostra Limite, com títulos caracterizados pela experimentação e ousadia de linguagem, e Nocturnu – Cine Fantástico e de Horror, uma das prediletas dos jovens cinéfilos que frequentam o festival.

Também tem nova edição a Mostra Infantojuvenil, com programas voltados a crianças e adolescentes, além de atividades presenciais.

Três retrospectivas reúnem destaques de diferentes momentos da produção brasileira de filmes de curta duração. Obras clássicas, assinadas por Glauber Rocha e Joaquim Pedro de Andrade, entre outros, estão no programa Curta Cinemateca, que merece projeção ao ar livre na Cinemateca Brasileira. A Retrospectiva Prêmio Estímulo exibe cópias em película 35mm de obras paulistas dos anos 1980 e 1990 de cineastas como Tata Amaral, Cao Hamburger, Toni Venturi e Alain Fresnot. E o programa Favoritos da Crítica (Abraccine) apresenta os dez curtas-metragens brasileiros vencedores da última eleição promovida pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema, a Abraccine.

Encontros e projeções com temas ligados à tecnologia estão na grade de programação, envolvendo os desafios da Inteligência Artificial e a produção para o TikTok e Reels. A produção realizada em cursos audiovisuais e oficinas audiovisuais estão nos programas Cinema em Curso, CIBA/CILECT – O Cinema das Escolas Latino-Americanas e Oficinas de Realização Audiovisual: Narrativas em Movimento, além do debate “A Produção das Escolas de Audiovisual da América Latina”, parte do seminário Conexão USP-Kinoforum.

Novos curtas franceses podem ser conhecidos no programa Carta Branca à Unifrance e obras de André Novais Oliveira e Carlos Adriano com duração maior que o padrão do festival, de 25 minutos, estão em Por Uns Minutos a Mais.

O 34º Curta Kinoforum Festival Internacional de Curtas de São Paulo promove ainda uma série de atividades paralelas, como encontros, debates e oficinas, a serem anunciadas.

As exibições e atividades paralelas acontecem no Centro Cultural São Paulo, Cinemateca Brasileira, CineSesc, Espaço Itaú de Cinema – Augusta e Museu da Imagem e do Som. O circuito Cinema na Comunidade leva títulos do evento a 40 locais da Região Metropolitana de São Paulo, como centros culturais, casas de cultura, ocupações e a Terra Indígena Jaraguá. Recortes da programação podem ser acessadas em todo o país através das plataformas parceiras Itaú Cultural Play, Porta Curtas, Sesc Digital e Spcine Play.

Para a diretora do evento, a produtora Zita Carvalhosa, na atualidade, convivemos com “várias visões de mundo, nem sempre em harmonia. E tantas vozes ainda precisam se fazer ouvidas, o que nos exige disposição para a troca e abertura para o novo. Esse é o território em que vivemos no Curta Kinoforum.”

O 34° Festival Internacional de Curtas de São Paulo – Curta Kinoforum é uma iniciativa da Associação Cultural Kinoforum e tem direção da produtora Zita Carvalhosa. O patrocínio é do Itaú Unibanco, ProAC Editais, Spcine e Casa di Conti. A realização é da Associação Cultural Kinoforum, Sesc São Paulo, Museu da Imagem e do Som, Cinemateca Brasileira, Prefeitura Municipal de São Paulo, Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo e Ministério da Cultura.

34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo

https://kinoforum.org/

de 24 de agosto a 3 de setembro de 2023

entrada franca

patrocínio

Itaú Unibanco

ProAC Editais

Prefeitura Municipal de São Paulo / Spcine

Casa di Conti

realização

Associação Cultural Kinoforum

Sesc São Paulo

Museu da Imagem e do Som

Cinemateca Brasileira

Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas de São Paulo

Ministério da Cultura

locais

Cinemateca Brasileira – Largo Sen. Raul Cardoso 207, Vila Clementino – São Paulo

CineSesc – Rua Augusta 2075, Cerqueira César – São Paulo

Circuito Spcine Lima Barreto / Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro 1000, Paraíso – São Paulo

Espaço Itaú de Cinema – Augusta (Anexo, Sala 4) – Rua Augusta 1470, Consolação – São Paulo

Museu da Imagem e do Som – Av. Europa 158, Jardim Europa – São Paulo

plataformas

Itaú Cultural Playhttps://www.itauculturalplay.com.br/

Porta Curtashttps://www.portacurtas.com.br/

Sesc Digitalhttps://www.spcineplay.com.br/

Spcine Playhttps://sesc.digital/

Circuito Cinema na Comunidade

Aldeia Tekoa Itakupe – Av. Chica Luiza s/n°, Terra Indígena Jaraguá – São Paulo

Casa de Cultura Chico Science – Av. Presidente Tancredo Neves 1265, Vila Moinho Velho – São Paulo

Casa de Cultura da Brasilândia – Praça Benedita Cavalheiro s/nº, Brasilândia – São Paulo

Casa de Cultura da Freguesia do Ó – Largo da Matriz 215, Freguesia do Ó – São Paulo

Casa de Cultura de Santo Amaro – Praça Floriano Peixoto 131, Santo Amaro – São Paulo

Casa de Cultura do Campo Limpo – Rua Aroldo de Azevedo 100, Jardim Bom Refugio – São Paulo

Casa de Cultura do Itaim – Rua Monte Camberela 490, Vila Silva Teles – São Paulo

Casa de Cultura do Tremembé – Rua Maria Amália Lopes de Azevedo 190, Tremembé – São Paulo

Casa de Cultura Hip Hop Leste – Rua Sara Kubitscheck 165-A, Cidade Tiradentes – São Paulo

Casa de Cultura M’Boi Mirim – Av. Inácio Dias da Silva s/nº, Piraporinha – São Paulo

Casarão da Vila Guilherme – Praça Oscar da Silva 110, Vila Guilherme – São Paulo 24/ago 19h

Centro Cultural da Juventude – Av. Deputado Emílio Carlos 3641, Vila Nova Cahoeirinha – São Paulo

Centro Cultural de Guaianazes – Rua Castelo de Leça s/nº, Jardim Soares – São Paulo

Centro Cultural do Grajaú – Rua Prof. Oscar Barreto Filho 252, Parque America – São Paulo

Centro Cultural Santo Amaro – Av. João Dias 822, Santo Amaro – São Paulo

Centro Cultural Vila Itororó – Rua Maestro Cardim 60, Bela Vista – São Paulo

Centro de Culturas Negras – Rua Arsênio Tavolieri 45, Vila Parque Jabaquara – São Paulo

Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes – Rua Inácio Monteiro, 6900, Cidade Tiradentes – São Paulo

Centro de Memória do Circo – Av. São João 473, Centro – São Paulo

Cine Câmera Quebrada – Rua Prof. Oscar Barreto Filho 252, Parque América – São Paulo

Cine Campinho – Rua Alécio Prates s/n°, Guaianazes – São Paulo

Cine IbiraLab – Rua Salgueiro do Campo 504 / 1, Jardim Ibirapuera – São Paulo

Cine Minhocão – Elevado Presidente João Goulart altura do Largo do Arouche, Centro – São Paulo

Cine Ocupa – Rua Álvaro de Carvalho 427, Bela Vista – São Paulo

Cine Roça / Ocupação dos Queixadas – Rua Borá, s/n°, Jardim Panorama – Cajamar

Cine Sol y Sombra – Rua Conselheiro Ramalho 945, Bela Vista – São Paulo

Cine Taipas – Estrada das Taipas 3827, Taipas – São Paulo

Cineclube Incinerante – Rua Suíça 302, Jardim São Francisco – Guarulhos

Cineclube Mascate/ Casa Delas – Rua José Eid Maluf 20, Americanópolis – São Paulo

CineSamba / Bar do Mutcho – Rua Bernardo Nunes 93, Jardim Helga – São Paulo

Cineteatro Wilma Bentivegna – Rua Paraná 70, Jardim Paulista – Suzano

Fabicine Móvel Itinerantelocal a definir – São Paulo

Okupação Coragem – Rua Vicente Avelar 53, Conjunto Residencial José Bonifácio – São Paulo

Pombas Urbanas – Av. dos Metalúrgicos, 2100, Cidade Tiradentes – São Paulo

Teatro Arthur Azevedo – Av. Paes de Barros 955, Alto da Mooca – São Paulo

Teatro Cacilda Becker – Rua Tito 295, Lapa – São Paulo

Teatro Décio de Almeida – Rua Lopes Neto 206, Itaim Bibi – São Paulo

Teatro Flávio Império – Rua Prof. Alves Pedroso 600, Cangaiba – São Paulo

Teatro Paulo Eiró – Av. Adolfo Pinheiro 765, Santo Amaro – São Paulo

redes sociais

www.instagram.com/curtakinoforum/

www.facebook.com/kinoforum

www.linkedin.com/company/kinoforum/

twitter.com/Kinoforum

www.tiktok.com/@curtakinoforum

www.youtube.com/curtakinoforum

Atendimento à Imprensa:

ATTi Comunicação e Ideias

Eliz Ferreira e Valéria Blanco (11) 3729.1455 / 3729.1456 / 9 9105.0441

DETALHES DA PROGRAMAÇÃO

Godard + Zé Celso

Dois grandes artistas, que revolucionaram as artes e faleceram recentemente, merecem uma sessão conjunta no 34º Curta Kinoforum.

De Jean-Luc Godard (1930-2022), o inovador cineasta franco-suíço que ganhou destaque como pioneiro no movimento da Nouvelle Vague dos anos 1960, o festival exibe seu filme póstumo, “Trailer do Filme Que Nunca Existirá: ‘Guerras de Mentira’” (2023), inédito no Brasil.

De José Celso Martinez Corrêa (1937-2023), está programado “O Parto” (1975), codirigido em Portugal ao lado de Celso Luccas, documentário que promove um balanço do primeiro ano após a Revolução de 25 de Abril de 1974, ou Revolução dos Cravos, que depôs o regime ditatorial, vigente desde 1933 naquele país.

A projeção especial dos dois curtas acontece ao ar livre, em 26/08, às 18h30, na Cinemateca Brasileira.

cineastas indígenas e questões dos povos originários

A produção de cineastas indígenas brasileiros está em foco no 34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo. Nele, Olinda Tupinambá, Priscila Tapajowara e Takumã Kuikuro, três expoentes dessa cinematografia, exibem retrospectivas de suas carreiras na seção Foco do evento, intitulada “Questões do Céu e da Terra” e composto por 13 curtas. Eles participam também de encontro sobre suas trajetórias, agendado para 28/08, às 18h00, na Cinemateca Brasileira. A série de curtas-metragens Ãgawaraitá, de Priscila Tapajowara, conta histórias reais de indígenas e ribeirinhos da Amazônia, sobre a relação de respeito entre os povos tradicionais com a floresta e os encantados, seres sagrados que possuem grande influência no cotidiano e na espiritualidade de quem vive na floresta. Takumã Kuikuro, “A Febre da Mata” é o representante brasileiro em “Interactions – When Cinema Looks to Nature”, longa-metragem internacional composto por 12 episódios, passados em nove países. Olinda Tupinambá assina filmes que transitam entre documentário e documentário fantasia, a exemplo de “Kaapora, o Chamado das Matas”, lançado na exposição “Véxoa: nós sabemos”, realizada na Pinacoteca de São Paulo em 2020.

O festival programou também obras de outros cineastas indígenas, ao lado de obras que tratam dos povos originários dirigidos por não indígenas.

Uma trilogia realizada por cineastas Yanomami traz elogiadas produções que estão fazendo carreira em eventos de cinema do Brasil e do exterior – como o próximo Festival de Veneza, que programou os três títulos. “Yuri U Xëatima Thë – A Pesca Com Timbó” e “Thuë Pihi Kuuwi – Uma Mulher Pensando” são assinados por Edmar Tokorino Yanomami, Roseane Yariana Yanomami e Aida Harika Yanomami. Já “Mãri Hi – A Árvore do Sonho” tem direção de Morzaniel Ɨramari e foi selecionado para o importante Festival de Documentários de Sheffield, na Inglaterra, e venceu a competição de curtas brasileiros no É Tudo Verdade.

Nome de destaque entre os realizadores indígenas, Alberto Alvares exibe seu mais recente filme, “Nhe‘En-Mongarai / Batismo da Alma”, que acompanha ritual em que as crianças ganharão seus nomes guarani. O curta se passa na fronteira entre Brasil e Paraguai, assim como “Ava Mocoi, os Gêmeos”, de Vinicius Toro e Luiza Calagian, obra vencedora do Grande Prêmio Online Cidade de Oberhausen no Festival de Curtas-Metragens de Oberhausen (Alemanha).

Ator com carreira em filmes internacionais, o indígena amazonense Adanilo conta em “Castanho” a história de uma jovem argentina que mora na comunidade Cachoeira do Castanho, interior do Amazonas e faz viagens suspeitas. Duas produções paulistas trazem universos raros em filmes brasileiros. “Mborairapé”, de Roney Freitas, tem como protagonista um jovem rapper das aldeias indígenas Guarani do Jaraguá, no município de São Paulo. Por sua vez, “Tapuia”, assinado pelos indígenas Kay Sara e Begê Muniz, é uma produção histórica, na qual uma jovem imigrante italiana vivendo no interior de São Paulo encontra uma indígena escravizada que foi ferida enquanto fugia de dois capangas da fazenda onde era forçada a trabalhar.

Vãnh gõ tõ Laklãnõ”, produção catarinense dirigida por Flávia Person, Walderes Coctá Priprá e Barbara Pettres, venceu o Prêmio Canal Brasil de Curta-Metragem no É Tudo Verdade ao recuperar a história do povo Laklãnõ/Xokleng, habitante do sul do Brasil.

Mais recente trabalho de Otavio Cury – autor de filmes inquietantes, como os longas “Constantino” (2012) e “Como Fotografei os Yanomami” (2018) –, o inédito “Onde a Floresta Acaba” recupera as viagens que o diretor fez com o britânico Dom Phillips, jornalista assassinado na Amazônia ao lado do indigenista brasileiro Bruno Pereira. A designer Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, acompanha a projeção e conversa com o público no dia 25/08, às 20h00, no CineSesc.

premiados e selecionados para grandes festivais internacionais

Berlinale

Vencedora do prêmio especial de melhor curta-metragem na mostra Generation 14plus do Festival de Berlim, a produção alagoana “Infantaria”, de Laís Santos Araújo, retrata com delicadeza a complexidade das questões de gênero, raça e classe que atravessam a vivência de meninas e adolescentes periféricas. Também premiado na mostra Generation 14plus da Berlinale está na programação a coprodução Alemanha/República Tcheca “Eu, Estou Dançando Também”, de Mohammad Valizadegan, no qual a protagonista está apaixonada pela arte de dançar, mas esta é proibida em um estado religioso que ignora os direitos humanos mais básicos. Outros três curtas estiveram no Festival de Berlim: o chinês “Todas as Festas de Amanhã“, de Dalei Zhang, se passa após os Jogos Asiáticos de 1990; o espanhol “A Ferida Luminosa“, de Christian Avilés, focaliza adolescentes em uma viagem dos sonhos para as Ilhas Baleares; e o brasileiro “As Miçangas”, de Emanuel Lavor e Rafaela Camelo, no qual duas irmãs preparam um aborto.

Cannes

Vencedor do Prêmio Lights on Women para melhor curta dirigido por mulher no Festival de Cannes, o britânico “Sonho de Rolinho Primavera“, de Mai Vu, mostra como a chegada do pai da protagonista vai confrontar a protagonista com a cultura que ela deixou para trás ao viver nos Estados Unidos. Também selecionados para o Festival de Cannes, são exibidos no Curta Kinoforum em 2023 “A Cadela“, de Carla Melo Gampert, uma animação coproduzida pela Colômbia e França sobre uma menina-pássaro; “Arkhé“, do mexicano Armando Navarro, que inclui imagens de gravações inéditas que mostram o terremoto que devastou a Cidade do México em 1985; e o brasileiro “SOLOS”, de Pedro Vargas, passado em um canteiro de obras, onde um estranho som vem do chão.

Veneza

Exibidos no Festival de Veneza, a animação italiana “Quanto a Nós“, de Simone Massi, fala de presságios, enquanto o canadense “III“, de Salomé Villeneuve, focaliza três irmãos que enfrentam a morte pela primeira vez.

Locarno

Big Bang”, mais recente trabalho do brasileiro Carlos Segundo, sagrou-se vencedor do prêmio de melhor curta-metragem no prestigioso Festival de Locarno ao focalizar um consertador de fogões, nos quais ele facilmente entra devido seu tamanho. Já o grego “Aeromoça-737“, de Thanasis Neofotistos, esteve selecionado para Locarno e para o Sundance ao mostrar atribulações ocorridas em uma viagem aérea.

Roterdã

Oito títulos da programação do Curta Kinoforum estiveram selecionados para o Festival de Roterdã, uma das vitrines internacionais mais importantes para o cinema autoral. O brasileiro “Casa de Bonecas”, de George Pedrosa, traz desejos sombrios de três profetas imateriais de rosa. Produção de Cingapura dirigida por Mark Chua e Li Shuen Lam, “Mastigue!” focaliza dois homens répteis que vão a uma piscina pública para se refrescar. “Entrada de Animais Vivos“, do croata Igor Grubic, mostra animais da Europa Oriental destinados à indústria italiana. O português “Flyby Kathy“, de Pedro Bastos, revisita as circunstâncias misteriosas da morte da atriz de filmes adultos Kathy Harcourt. Já na coprodução Cuba/Brasil “O Mar Também é Seu“, de Michelle Coelho, uma mulher se lembra do aborto que sofreu e dos fantasmas que a acompanham. Uma exposição permite que um trabalhador escape da rotina de seu emprego na coprodução Colômbia/Holanda “Aí Vêm as Rachaduras“, de Daniel Mateo Vallejo. Completam a relação das obras exibidas no Festival de Roterdã duas produções do Espírito Santo: “Remendo”, de Roger Ghil, premiado na Mostra de Tiradentes, e “Procuro Teu Auxílio Para Enterrar Um Homem”, de Anderson Bardot, selecionado para Festival Los Angeles Latino.

Clermont-Ferrand

No maior festival internacional de curtas, o de Clermont-Ferrand, na França, “Takanakuy“, de Vokos, venceu a menção honrosa do evento. A coprodução Peru/Brasil focaliza o relacionamento entre dois adolescentes no tradicional festival peruano de Takanakuy.

atores e atrizes

Diversos artistas queridos pelo público estão presentes nos filmes programados pelo festival. Zezé Motta e Dan Ferreira protagonizam o carioca “Deixa”, de Mariana Jaspe, enquanto que “Estrelas de Um Só Hit”, de Luísa Guarnieri, traz o veterano Elias Andreato. Dirigido por Izah Neiva, “Firmina” destaca a premiada atriz Teca Pereira (de “Carcereiros”, “Segunda Chamada”, “3%” e “Cidade Invisível”) e a participação de Babu Santana.

Simone Spoladore, vencedora do prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado e três vezes no Prêmio APCA,assina a direção de “O Chá de Alice”, adaptação de Lewis Carrol que tem sua première mundial no evento. Vera Valdez, do Teatro Oficina, atua em dois curtas programados: “Feira da Ladra”, de Diego Migliorini, e, ao lado de Georgette Fadel, no inédito “LYB”, de Felipe Poroger.

Presentes na Retrospectiva do Prêmio Estímulo, com produções paulistas dos anos 1980 e 1990, destacam-se Edson Celulari, em “A Revolta dos Carnudos”; Carla Camuratti, Ney Latorraca e Rosi Campos, em A Mulher do Atirador de Facas; José Rubens Chachá, em “PR Kadeia”; Sandra Annenberg, em “Jogo da Memória”; Jonas Bloch, em “Arabesco”; e Marco Ricca e Renato Consorte, em “Zuleika”.

Na Mostra Internacional do festival está “Surpresa“, do sueco Laerke Herthoni, estrelado pela atriz premiada no Festival de Cannes Pernilla August, famosa pelo seu papel em “Star Wars, Episódio I: A Ameaça Fantasma”.

Dois nomes icônicos merecem obras a seu respeito. O francês “Ymor”, de Julien Lahmi, é inspirado nas revelações da atriz Romy Schneider (1938-1982) sobre sua infância. Já “Encenando a Morte“, dirigido pelo austríaco Jan Soldat, focaliza as muitas mortes encenadas pelo ator Udo Kier (de “Bacurau”) e foi exibido na Quinzena de Cineastas do Festival de Cannes.

diretoras e diretores

Beto Brant (de “Os Matadores”) traz ao festival o inédito “Gado Novo”. Parte do programa especial Por Uns Minutos a Mais do evento, o filme é um ensaio poético sobre criadores de gado. O diretor também tem outra obra programada: o premiado “Dov’è Meneghetti?”, de 1989, é um dos destaques da Retrospectiva Prêmio Estímulo.

Estrelado por Camila Márdila, Dandara Pagu e Grace Passô, “O Nosso Pai” marca a volta ao curta-metragem da diretora Anna Muylaert (de “Que Horas Ela Volta?”). No enredo, três irmãs decidem agir em meio a uma pandemia descontrolada.

Thais Fujinaga também retorna ao formato de curta duração, depois da boa recepção a seu longa de estreia, “A Felicidade das Coisas”. Apresentado em pré-estreia mundial, “Quinze Quase Dezesseis” tem adolescentes como protagonistas e trata de assédio.

No documentário “O Condutor da Cabine”, o diretor Cristiano Burlan (de “A Mãe”) faz um registro da rotina de um projecionista, que possui uma longa e solitária jornada de trabalho.

Por sua vez, o diretor do longa “Ambiente Familiar”, Torquato Joel mostra em “Pulmão de Pedra” as condições limítrofes da lida do garimpeiro Joãozinho para extrair uma das matérias-primas que atendem as demandas do mundo tecnológico.

LGBTQIA+

O programa Mostra Latino-Americana 2 – Azul É a Cor Mais Quente traz o mexicano “Apneia”, de Natalia Bermúdez, cujo enredo mostra que a fronteira entre amor e abuso é tênue a partir de uma relação secreta entre uma nadadora com sua treinadora.

O documentário animado francês “O Esboço“, parte do programa Mostra Internacional 6 – Olha pra Mim, seu diretor, o brasileiro Tomas Cali, conta como o encontro com uma mulher trans em Paris o fez refletir sobre sua própria condição de trans e imigrante. A produção portuguesa “Um Caroço de Abacate“, de Ary Zara, foi vencedora do prêmio do público e do prêmio para filmes de escolas no importante festival IndieLisboa. No filme, uma mulher trans e um homem cis se encontram nas ruas de Lisboa.

Vencedor do prêmio de melhor filme com temática afirmativa no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, “Ave Maria”, de Pê Moreira, tem uma jovem negra e trans como protagonista e aborda seu reencontro com a casa, a mãe, os irmãos e a avó. Em “Peixe Vivo”, de Frederico Evaristo e Bob Yang, vemos um menino que aguarda a chegada de sua boia para que possa finalmente entrar na piscina. Inédito, o curta é exibido com seu making of, intitulado “Peixes Vivos” e assinado por Bru Fotin, Bob Yang e Frederico Evaristo.

Duas produções do curso de audiovisual da ECA-USP também transitam nas temáticas LGBTQIA+. “Olhares Trêmulos”, de Leno Taborda, traz Plinio Soares no elenco e focaliza um relacionamento que é abalado pela descoberta de uma doença degenerativa. “Batimentos”, de Pedro Petriche e Clara Dias, se passa em uma festa na qual um casal de irmãos percorre diferentes jornadas.

Já no gaúcho “Manchas de Sol”, de Martha Mariot, um casal de mulheres deve enfrentar a chegada da filha distante de uma delas, que não sabe sobre seu relacionamento. Produção cearense, “Quinze Primaveras”, de Leão Neto, trata, em tom agridoce, os obstáculos da vida de sua protagonista. Por sua vez, o mineiro “No Início do Mundo“, de Gabriel Marcos, aborda a falta de perspectiva e a descoberta da sexualidade por dois jovens da periferia.

Três paulistas completam a relação de títulos relacionados à temática LGBTQIA+: “Destemor”, assinado pelo Coletivo Praça, formado por ex-alunos do Instituto Criar, traz um jovem gay que mora em Pirituba e é acompanhado por um trauma relacionado ao seu pai; “Se Trans For Mar”, de Cibele Appes, mostra sua protagonista, Iara, diante de uma paixão; e “Te Amo, Se Cuida”, de André Vidigal e Liz Dórea, que parte de reflexos e espelhos espalhados pelo Centro de São Paulo.

meio ambiente

Curtas-metragens tratando de temáticas socioambientais produzidos em diversas geografias do planeta estão presentes na programação do 34º Curta Kinoforum. Na Mostra Limite, dedicada a trabalhos de linguagem inovadora, eles estão concentrados no programa 2 – Os Olhos da Floresta, que evoca olhares voltados à natureza e seus elementos sinestésicos, provocando nosso entendimento dos ambientes naturais. Um dos filmes do programa, “Nostalgia para o Lago”, do paraguaio Arturo Maciel, foi realizado no Peru dentro do laboratório Filming in the Amazon, sob orientação do aclamado cineasta tailandês Apichatpong Weerasethakul. O mesmo programa reúne ainda o finlandês “Estranhos no Escuro“, de Jenni Pystynen e Perttu Inkilä, sobre as consequências da poluição luminosa na vida amorosa de um pirilampo; o francês “Observe o Fogo ou Queime Nele”, de Caroline Poggi e Jonathan Vinel, exibido no Festival de Locarno, no qual uma mulher decide curar a terra queimando-a; e o brasileiro “Espectro Restauración“, de Felippe Mussel, que parte de um espectrograma sonoro de um incêndio no Pantanal, bioma que sofre constantemente com o avanço do agronegócio na América do Sul. Os incêndios na mesma região também são abordados em “O Itinerário de Cicatrizes”, de Glória Albues, integrante da Mostra Brasil 10 Tensões no Campo e no Asfalto. Na obra, definida como um filme-ensaio, estão as marcas, os vestígios, as cicatrizes, impressas na flora, na fauna e na vida das pessoas que habitam as vastas planícies do Pantanal de Mato Grosso, ocasionadas pelo mais devastador incêndio de sua história.

Atração da Mostra Internacional 3 – Desertos Contemporâneos do evento, “Terra Mater – Mother Land“, uma coprodução Ruanda/Suíça dirigida por Kantarama Gahigiri e exibida no Festival de Berlim, é um poema afro futurista que assume a responsabilidade do capitalismo e colonialismo que causaram grande destruição ambiental na África, um autêntico grito para curar o planeta. No mesmo programa, o britânico “A Floresta Emaranhada“, de Nick Jordan, cineasta frequente no Curta Kinoforum, aborda a comunidades e solidariedade no mundo vegetal.

negritude

Produções do Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo discutem questões ligadas à cultura negra e ao racismo. Selecionado para o Festival de Biarritz América Latina (França), o carioca “Último Domingo”, de Renan Barbosa Brandão e Joana Claude, é livremente inspirado em trecho do “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, de José Saramago, e tem no elenco Jessica Ellen (da série “Justiça”), Tonico Pereira e Everaldo Pontes. Produção do Distrito Federal dirigida por Edileuza Penha de Souza e Santiago Dellape, o inédito “Vão das Almas” trata de uma profecia e envolve seres como Matinta e Saci.

Dois curtas paulistas também abordam questões ligadas à população afrodescendente: “Fique na Luz”, de David Alves, acompanha os sonhos de três irmãos, moradores da periferia, enquanto que o inédito “Combustão Não Espontânea”, de Boni Zanatta, focaliza uma mulher negra que vive em sua casa enquanto ela queima.

pessoas com deficiência

Uma das prioridades da programação do Curta Kinoforum nos últimos anos, a inclusão de filmes sobre personagens ou dirigidos por portadores de deficiências alcança em 2023 seu maior número de títulos. Parte do programa especial Carta Branca à Unifrance, “O Lobo e a Gata”, de Jean-Sébastien Bernard, tem como protagonista um adolescente surdo de nascença, que passa as férias de verão em um acampamento com a mãe. Em “Mãos Alheias“, do mexicano Adrián Monroy Molina, uma jovem com paralisia cerebral contrata uma trabalhadora do sexo para vivenciar sua primeira experiência.

Outros quatro curtas brasileiros também apresentam personagens PCD. Em “Diafragma”, animação alagoana dirigida por Robson Cavalcante, um adolescente descobre que logo deixará de enxergar. O gaúcho “Rasgão”, de Marcio Picoli e Victor Di Marco, discute, de forma fantasiosa, a política pública federal para pessoas com deficiência durante o governo Bolsonaro. Já o mineiro inédito “Lapso”, de Caroline Cavalcanti, aborda o relacionamente de dois adolescentes infratores – ela, surda-muda – que cumprem medidas socioeducativas e compartilham afetos e incerteza diante da repressão do sistema. Já o também gaúcho “‘Romeu e Julieta’ em Libras”, de Adriana Somacal, revisita a famosa peça de William Shakespeare em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

O painel “Vozes Diversas: o cinema feito por pessoas com deficiência” está agendado para o dia 29/08, às 11h00, na Cinemateca Brasileira. Participam da mesa Adriana de Moura Somaucal, Clarice Senna, Giovanni Venturini, Victor Di Marco e Cintia Alves (mediação).

horror e fantástico

Seção permanente do Curta Kinoforum, Nocturnu – Cine Fantástico e de Horror reúne nesta edição cinco títulos produzidos na Argentina, Brasil, França e Cingapura. Entre eles, o paulista “Promessa de um Amor Selvagem”, de Davi Mello, vencedor dos prêmios de melhor curta, melhor direção e prêmio da crítica no Rio Fantastik Festival – Festival Internacional de Cinema Fantástico do Rio de Janeiro. Já o francês “Esfolada”, de Joachim Hérissé, sobre duas mulheres simesas que vivem em meio a um pântano, foi vencedor do prêmio de melhor animação no Festival de Sitges (Espánha). “Tem Algo Estranho com a Minha Avó” é uma coprodução Argentina/Brasil/Equador, dirigida por Pedro Balderama e Rimai Sojo que mostra uma senhora que é monitorada em sua casa. Já em “Você Verá”, produção de Cingapura dirigida por Kathleen Bu, um jovem fotógrafo se torna presa de uma câmera sobrenatural.

Na Mostra Internacional 1 – Monstros Assustadores, destaca-se o espanhol “Tigre Místico”, de Marc Martínez Jordan, obra premiada no Festival de Palm Springs (EUA) sobre um homem que adquire a habilidade de transgredir o tempo/espaço.

Dois títulos da Mostra Brasil também se encaixam no gênero de horror e fantástivo. O carioca “O Filme Perdido”, de Luiza Sader, investiga a mudança do acervo de documentos da Cinemateca do MAM (RJ) e se depara com comportamentos estranhos por parte dos funcionários do local. Já no goiano “Energúmeno”, de Luís Calil, um professor viaja à uma chácara e lá encontra uma figura misteriosa que transforma sua experiência em um pesadelo.

ativismo

No programa Mostra Internacional 4 – Molotov estão reunidos cinco filmes sobre ativismo. Na coprodução Reino Unido/Noruega “A História do Mundo Segundo a Getty Images”, o diretor Richard Misek pratica seu ativismo ao disponibilizar imagens importantes do século 20 até então só acessíveis mediante pagamento.

Em “Experiências Desconhecidas“, produção da Turquia dirigida por Ramazan Kilic e vencedora de menção especial do júri no Festival de Curtas-Metragens de Clermont-Ferrand, uma garota curda toma uma atitude depois que a polícia turca retira todas as antenas de TV de um vilarejo.

Eleito como melhor curta no Festival de Chicago, “Ao Vivo“, da polonesa Mara Tamkovich, coloca uma questão crucial: quando a polícia começa a atirar em manifestantes e duas jornalistas da TV da Bielorrússia se veem alvo de um drone, elas devem continuar a transmitir ou se salvam?

 

E Se as Mulheres Mandassem no Mundo?” (Itália/EUA), de Giulia Magno, reúne duas gerações de feministas e mostra como a pioneira da arte feminista Judy Chicago e a musicista punk fundadora do grupo Pussy Riot Nadya Tolokonnikova uniram forças para inspirar as pessoas a imaginar um mundo diferente e mais humano.

O heroísmo dos combatentes republicanos na Guerra Civil Espanhola (1936-1939) está na coprodução França/Bélgica “Patanegra“, dirigido por Méryl Fortunat-Rossi e estrelado pelo ator espanhol Sergi Lopez.

Já na Mostra Internacional 1 – Monstros Assustadores desponta o suíço “E Quão Miserável é o Lar do Demônio“. Nele, o diretor iraniano, que estará presente no festival, prega o fim do ditador Ali Khameni, Lider Supremo do Irã. No mesmo programa está a coprodução Rússia/Israel “O Ritual“, de Mikhail Zheleznikov, sobre o aspecto manipulador do presidente russo Vladimir Putin.

O ativismo em torno de questões da terra está presente em quatro curtas brasileiros. “Pedro e Inácio”, de Caio Dorneles, recupera a história de dois irmãos ativistas pela questão agrária que foram assassinados numa chacina nos anos 1990. “Fala da Terra”, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, se desenvolve em torno do Coletivo Banzeiros, grupo teatral do Pará formado por membros do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). O inédito “Eu Sou Uma Arara”, codirigido pela cineasta Mariana Lacerda e pela artista visual Rivane Neuenschwander, foi filmado em manifestações na cidade de São Paulo, nos anos que antecederam as votações que elegeram o presidente Luís Inácio Lula da Silva em 2022. Já “Provisório”, de Wilq Vicente, traz o cotidiano de moradores daquela que é considerada como a maior ocupação no estado ce São Paulo.

A atual Guerra na Ucrânia é abordada em três títulos presentes na Mostra Internacional. Vencedor do prêmio especial do júri para melhor curta na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim, Despertando em Silêncio“, coprodução Alemanha/Ucrânia dirigida por Mila Zhluktenko e Daniel Asadi Faezi, com crianças ucranianas confrontadas com seu passado enquanto exploram seu novo lar na Alemanha. Em “Mãe“, coprodução Ucrânia/Polônia dirigida por Iurii Leuta, dois jornalistas tentam cobrir a escalada de destruição e sofrimento na Ucrânia e permanecer vivos. Por sua vez, o alemão “Long Time No Techno“, de Eugenia Bakurin, mostra como o Estúdio Cinematográfico Odessa, importante durante a União Soviética, está ameaçado pelo exército russo.

retrospectiva Juan Pablo Zaramella

Um dos mais importantes animadores latino-americanos da atualidade, o argentino Juan Pablo Zaramella é responsável por “Luminaris”, reconhecido em 2018 como o curta-metragem mais premiado da história, tendo acumulado a incrível marca de 326 prêmios.

O cineasta ganha ampla retrospectiva no 34º Curta Kinoforum, evento no qual suas obras aparecem entre as favoritas do público em diversas edições, como foi o caso do surpreendente “Passageiro”, em 2022.

No total, são exibidos 12 de seus curtas, produzidos entre 2001 e 2022. Zaramella acompanha a sessão de 26/08, às 18h00, no CineSesc, e conversa com o público após a projeção.

homenagem a atriz Gilda Nomacce

Musa de toda uma geração de jovens cineastas brasileiros, a atriz Gilda Nomacce é a grande homenageada este ano. Com 21 prêmios na carreira, ele soma 47 curtas-metragens atuados, já foi destaque no Festival de Cannes e está em séries da Netflix, Star+ e Disney+. A atriz ajudou a selecionar as cinco obras programadas no Curta Kinoforum 2023, produzidas entre 2011 e 2020. Um dos destaques é “Romance”, dirigido pela atriz e roteirista Karine Teles, no qual a protagonista tenta escapar a todo custo de seus antigos romances.

Djalma Limongi Batista

Além de longas premiados, como “Asa Branca, Um Sonho Brasileiro” (1981), o cineasta Djalma Limongi Batista (1947-2023) responde por um marco histórico no cinema brasileiro de curta duração. Seu filme de estreia, “Um Clássico, Dois em Casa, Nenhum Jogo Fora”, além da ousadia temática (é tido como o primeiro curta-metragem com a temática LGBTQIA+ do Brasil), é também a primeira realização do curso de cinema da ECA-USP. A obra causou impacto, tendo conquistado em 1968 os prêmios de melhor filme, direção, roteiro e montagem no Festival de Cinema Amador JB/Mesbla.

O festival exibe este e outros quatro curtas do diretor, alguns de rara circulação, como Hang-five, de 1975. Após a sessão agendada para o dia 2/09, às 18h00, na Cinemateca Brasileira, acontece um encontro com o jornalista Marcel Nadale, autor do livro “Djalma Limongi Batista – Livre Pensador”.

produções do interior paulista

A crescente cena audiovisual oriunda do interior do estado de São Paulo volta a marcar presença no Curta Kinoforum. Duas das três obras selecionadas tratam de heranças históricas relacionadas a populações indígenas que habitavam aqulas localidades.

Guilherme Xavier Ribeiro, que em 2022 surpreendeu o público do evento com Ainda Restarão Robôs nas Ruas do Interior Profundo”, traz o inédito “Despovoado, Ou Tudo Que a Gente Podia Ser”, último trabalho como ator de Rolando Boldrim (1936-2022). Ele interpreta um senhor branco que esconde suas memórias sobre a chegada do progresso da região. No curta, filmado na região do Vale do Paranapanema, estão três mulheres indígenas remanescentes da etnia Kaingang.

Prodizido nas cidades de Marília e Vera Cruz, “Habitar”, de Antonio Fargoni, o cotidiano de um rapaz morador no campo e o encontro de um adereço indígena, discutindo uma cultura que deixou de existir.

“Arrimo”, realização da cidade de Rio Claro dirigida por Rogério Borges, é um documentário ficcionado que acompanha o cotidiano de pedreiro gago.

Mostra Horizontes

Novidade na programação do Curta Kinoforum, a Mostra Horizontes é um programa que destaca o protagonismo jovem em filmes brasileiros e estrangeiros inscritos no evento. No total, são 13 títulos que mesclam países e culturas diferentes, trazendo recentes movimentos sociais e culturais.

Um dos destaques do programa é o colombiano exibido no Festival de Curtas-Metragens de Oberhausen (Alemanha) “A Menos Que Bailemos”, de Fernanda Pineda e Hanz Rippe Gabriel, sobre jovens da Black Boys Chocó que dançam para fugir da vida do crime na cidade mais violenta da Colômbia. Coprodução Índia/França, “Últimos Dias de Verão”, de Stenzin Tankong, focaliza dois jovens pastores, os únicos a ouvir um som misterioso das montanhas do Himalaia. O brasileiro “O Último Rock”, de Diego de Jesus, é protagonizado por jovens que se reúnem para uma festa antes de entrar em lockdown por causa da Covid-19. A mostra conta ainda com “Fantasmas”, produzido pelo diretor Spike Jonze.

Mostra Infantojuvenil

Todos os anos, a partir dos filmes inscritos para o festival, são selecionamos dois programas para as crianças e um para os jovens, contemplando também produções feitas por adolescentes em projetos de inclusão audiovisual.

Mais uma vez, uma ampla gama de temas e países produtores está disponível para famílias e crianças de todas as idades, complementada por atividades lúdicas. A Mostra reúne 14 filmes (representando seis países) e está dividida em três programas: Infantil 1, Infantil 2 e Juvenil. No primeiro, uma divertida volta pelo mundo em filmes de vários continentes. No segundo, experiências e aventuras em casa, na praia e até na lua. Ambos são indicados para maiores de seis anos.

E, no programa Juvenil, para o público a partir de 10 anos, várias vozes ecoam as principais demandas da população jovem do mundo.

Uma atividade audiovisual e sensorial voltada ao público infantojuvenil está agendada para o domingo, 27/08, às 13h00, na Cinemateca Brasileira. “Experiência Nave Terra”, com o coletivo de música contemporânea Nave Terra.

Retrospectiva Prêmio Estímulo

Por mais de 40 anos, o Prêmio Estímulo foi um mecanismo de fomento à produção de curtas-metragens no estado de São Paulo. Um recorte com filmes realizados nas décadas de 1980 e 1990, reunindo 32 títulos, ganha exibição no Museu da Imagem e do Som a partir de cópias em película em 35mm. Segundo o curador do programa André Sturm, trata-se de um período de produção pulsante, que levou diversos curtas a causar impacto e a ser premiados nos mais diversos festivais no Brasil e no exterior.

Entre os filmes selecionados estão obras assinadas por Tata Amaral (“História Familiar”, 1988), Cao Hamburger (“A Garota das Telas”, 1986), Toni Venturi (“1999”, 1993), Beto Brant (“Dov’è Meneghetti?”, 1989), Eliane Caffé (“Arabesco”, 1990), Roberto Moreira (“Amargo Prazer”, 1990), Eliana Fonseca (“A Revolta dos Carnudos”, 1991), Alain Fresnot (“Amor que Fica”, 1986), Reinaldo Pinheiro e Eduardo Quirino (“A Desforra da Titia”, 1995), Francisco Cesar Filho (“Hip-Hop SP”, 1990) e Nilson Villas Bôas (“A Mulher do Atirador de Facas”, 1988).

Curta Cinemateca

Marcos do cinema de curta-metragem brasileiro ganham projeção ao ar livre na Cinemateca Brasileira em 1º/09, às 18h30.

O curador Carlos Augusto Calil pinçpu sete clássicos no formato, incluindo obras de Glauber Rocha (“Maranhão 66”, 1966), Joaquim Pedro de Andrade (“O Aleijadinho”, 1978), Leon Hirszman (“Nelson Cavaquinho”1964), Humberto Mauro (“A Velha a Fiar”, 1964), Andrea Tonacci (“Blablabla”, 1968), Aloysio Raulino (“Jardim Nova Bahia”, 1971) e Olga Futemma (“Retratos de Hideko”, 1981).

Favoritos da Crítica (Abraccine)

Fundada em 2011, a Associação Brasileira de Críticos de Cinema – Abraccine tornou-se a primeira entidade de representação nacional dos profissionais críticos de cinema. Anualmente, a entidade elege ranking dos dez mais da última safra. Um programa especial reúne os títulos vencedores da última eleição.

Organizado em dois programas, o top 10 da Abraccine é o seguinte:

Ainda Restarão Robôs nas Ruas do Interior Profundo”, de Guilherme Xavier Ribeiro

Big Bang”, de Carlos Segundo

Curupira e a Máquina do Destino”, de Janaina Wagner

Escasso”, de Gabriela Gaia Meirelles

Fantasma Neon”, de Leonardo Martinelli

Garotos Ingleses”, de Marcus Curvelo

Infantaria”, de Laís Santos Araújo

Mutirão: O Filme”, de Lincoln Péricles

Solmatalua”, de Rodrigo Ribeiro-Andrade

Tekoha”, de Carlos Adriano

tecnologia

Obras que discutem os avanços da tecnologia ganham destaque na Mostra Limite 3 – A Regra do Game. Um dos curtas do programa, o austríaco “Mais ou Menos Trabalhando“, assinado por Total Refusal, traz personagens não jogáveis dos videogames. Uma lavadeira, um cavalariço, um gari e um carpinteiro são observados com precisão etnográfica em suas rotinas de figurantes. O filme conquistou o prêmio de melhor direção no Festival de Roterdã.

O painel “Linguagem Cinematográfica e Produção de Vídeos Curtos Multiplataforma (TikTok, Reels, YouTube Shorts e Kwai)” está agendado para o dia 24/08, às 16h00, na Cinemateca Brasileira e reúne a pesquisadora e realizadora audiovisual Chica San Martin e diretor e criador de conteúdo digital Daniel Pires, com mediação de José Agripino.

No mesmo local, em 31/08, às 17h00, o debate “Ameaça ou Colaboração Criativa? Dilema e Diálogos do Cinema com a Inteligência Artificial” conta com a participação de Lyara Oliveira, Diretora de Inovação e Políticas do Audiovisual da Spcine e dos cineastas Cao Hamburger, Fernanda Pessoa, Lucas Bambozzi, Lyara Oliveira e Paola Prestes.

Parte do seminário Conexão USP-Kinoforum, a mesa “Inteligência Artificial no Audiovisual” discute o estado da arte dessa tecnologia, sua evolução técnica, implicações éticas e aplicação nas realizações audiovisuais. Agendado para 30/08, às 16h00, também na Cinemateca Brasileira, o encontro reúne Claudio Pinhanez (IEA/USP), JH Crema (realizador), Lucia Santaella (PUC/SP) e Pedro Salles Leite (InnerPlay), A apresentação fica a cargo de Almir Almas (ECA/USP).

cursos e oficinas audiovisuais

Produções de cursos audiovisuais e de oficinas de realização permanentemente fazem parte da programação do Curta Kinoforum. 

O programa Cinema em Curso apresenta este ano 11 trabalhos produzidos nas seguintes instituições de ensino: Academia Internacional de Cinema, Anhembi Morumbi, ECA-USP, FAAP, Universidade Estadual do Paraná – Unespar, Universidade de Fortaleza e nas universidades federais do Ceará e de Pelotas (RS).

Já o programa especial CIBA/CILECT – O Cinema das Escolas Latino-Americanas exibe quatro produções de alunos da argentina ENERC – Escuela Nacional de Experimentación y Realización Cinematográfica (“As Filhas”, de Joaquín Echevarría e Juan Martín Torres), da equatoriana INCINE – Instituto Universitario de Cine y Actuación (“Seja Como José!”, de Leonardo Ortiz), e das mexicanas CCC – Centro de Capacitación Cinematografica (“Por Magda”, de Carla Larrea Sánchez) e Universidad Iberoamericana (“O Tempo”, de Teague O’Hea Flores).

A Produção das Escolas de Audiovisual da América Latina” é tema de um debate, parte do seminário Conexão USP-Kinoforum, programado para o dia 29/08, às 18h00, na Cinemateca Brasileira. Participam Eduardo Santos Mendes (ECA-USP), Carla Larrea Sánchez (CCC), Joaquín Echavarria e Juan Martín Torres (ENERC), Leonardo Ortiz INCINE) e Teaque O’Hea (Universidad Iberoamericana).

 Já o programa Oficinas de Realização Audiovisual: Narrativas em Movimento apresenta seis títulos frutos dos projetos de formação paulistanos É Nóis na Fira, Instituto Criar e Oficinas Kinoforum, do Instituto Querô, de Santos, e da EscutaRio, oficina carioca para pessoas em situação de vulnerabilidade realizada pela Caliban, produtora do cineasta Silvio Tendler. Já “Destemor” é uma produção de coletivo formado por ex-alunos do Instituto Criar.

Carta Branca à Unifrance

Uma seleção dos mais destacados curtas-metragens da recente safra francesa está no programa especial Carta Branca à Unifrance, com quatro filmes finalizados em 2022 e 2023. A programação é fruto de uma parceria do festival com a Unifrance, a organização encarregada de promover internacionalmente o cinema e o audiovisual francês.

Uma das atrações é “À Europa de Bidon”, de Samuel Albaric e Thomas Trichet. No enredo, um nigeriano conta como sobreviveu caminhando a um trajeto desde Lagos, capital de seu país, a Paris graças uma boa dose de coragem.

Por Uns Minutos a Mais

Obras que extrapolam os 25 minutos de duração máxima previstos no regulamento do Curta Kinoforum mas que merecem ser apresentados ao público do evento fazem parte do programa especial Por Uns Minutos a Mais.

Estão programadas quatro produções especialmente convidadas pela organização do festival. O destaque é a pré-estreia mundial do novo trabalho do cineasta paulista Beto Brant, “Gado Novo”.

Integram o programa filmes assinados por André Novais Oliveira e Renato Novaes (“Nossa Mãe Era Uma Atriz”), Carlos Adriano (“O Materialismo Histórico da Flecha Contra o Relógio”) e Esther Vital (“Cadê Heleny?”).

Cinema

Filme dirigido pelo multiartista novíssimo Edgar com trilha de Pupillo estreia no Festival do Rio

Publicado

em

De

Estreia no próximo dia 06 de outubro, no Festival do Rio 2023, o primeiro curta-metragem dirigido e roteirizado pelo cantor e multiartista Novíssimo Edgar: “Erva de Gato”. O projeto, que foi filmado em 2021, foi produzido pela artista Giulia Del Bel (“As Five”, “Meu nome é Bagdá”), que também faz parte do elenco, ao lado de Grace Passô (“Praça Paris”) e Ítalo Martins (atualmente em cartaz na novela “Terra e Paixão”, da Globo). A trilha sonora foi composta pelo produtor musical, baterista, e ex-integrante da banda Nação Zumbi, Pupillo. A sessão do dia 06 será fechada para convidados, mas haverá uma exibição aberta ao público em 07/10 – mais informações serão enviadas em breve. A 25ª edição do Festival do Rio acontece de 05 a 15 de outubro.

Assista ao trailer do filme

O filme é uma obra de ficção que se passa em um Brasil separado em três fronteiras, após uma guerra civil: “Confederalismo Democrático do Nordeste”, “Sul é Meu País” e “Amazônia”. Um grupo de amigos se encontram em uma casa no “Estado Autônomo” e após uma brincadeira, despertam o espírito adormecido em corpo de gato e recebem uma missão.

“Estou muito feliz que finalmente ‘Erva de Gato’ será apresentado ao mundo”, afirmou Edgar. “Tenho muito orgulho desse trabalho, que foi feito com muito carinho e dedicação por tanta gente. Acho que ele não poderia ter uma estreia melhor do que no Festival do Rio, um evento tão importante para a nossa cultura.”

Artista brasileiro, Novíssimo Edgar nasceu na periferia de Guarulhos, São Paulo em 1993. Atualmente vive e trabalha nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Poeta, artista plástico, compositor, performer, sua obra transborda autenticidade e liberdade, passando por diversos suportes e segmentos de pesquisas de metalinguagens e transmídia. Além da parceria musical com Elza Soares, tem participações com João Donato, Céu e Baiana System. Ganhou dois prêmios como artista revelação no ano de 2018, pela SIM e pela APCA, e recebeu o prêmio Zumbi dos Palmares da Legislação de São Paulo pela sua influência na luta anti-racista em 2019. 

“Realizar este curta acho é tanto uma realização pessoal e profissional, quanto coletiva”, comentou Edgar. “Creio que também é uma oportunidade para que outras pessoas que acompanham o meu trabalho consigam ver, produzir e assumir esses postos, da mesma forma como eu assumi. Eu acho que deixar de ser um fetiche para outros diretores em cima dos universos e ficções que eu crio e eu mesmo ter conseguido pegar e ser o timoneiro desta embarcação, junto à toda equipe que acreditou, é muito importante. Esse é um grande ponto, porque todas as outras produções que eu realizei, desde videoclipes ou audiovisuais, sempre fiquei com a co-direção ou fui o responsável pelo argumento… e no caso de “Erva de Gato”, esse é o meu roteiro e a direção total na íntegra, e isso faz uma grande diferença”, finaliza o artista nascido em Guarulhos-SP. 

Um dos pontos altos de “Erva de Gato” é, sem dúvida, sua trilha sonora, assinada por Pupillo. Produtor musical, baterista, compositor de trilhas sonoras, ex-integrante da banda Nação Zumbi, Pupillo vem produzindo artistas desde 2000, a exemplo de Mundo Livre S/A, Otto, Lirinha, Céu, Gal Costa, Erasmo Carlos e Paulo Miklos. Recentemente, lançou o EP do projeto Orquestra Frevo do Mundo – Volume 2, produzido por ele com participação de Nando Reis, Martins e Bala Desejo. O trabalho, que também é uma iniciativa do produtor artístico Marcelo Soares, apresenta canções com uma sonoridade carnavalesca. 

“Erva de Gato”

Escrito e dirigido por NOVÍSSIMO EDGAR 

Produzido por GIULIA DEL BEL 

Elenco principal: GRACE PASSÔ, ÍTALO MARTINS, GORETTI RIBEIRO e GIULIA DEL BEL 

Direção de fotografia: LARYSSA MACHADA, LEANDRO REALISTA e RAFAEL PIU

Montagem: RENATO PASCOAL 

Trilha sonora original: PUPILLO 

Direção de casting: EDUARDO BENESI 

Preparação de elenco: CLAYTON NASCIMENTO

Continue lendo

Cinema

MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA EXIBE 18 FILMES EM LORENA

Publicado

em

De

Festival acontece de forma gratuita até de setembro

* evento tem sessões abertas ao público na Unisal e na USP, além de exibições para estudantes em diversas instituições de ensino

* programação inclui títulos assinados por Estêvão Ciavatta, Fred Rahal, Laura Faerman e Marina Weis

* filmes premiados e com carreira em importantes festivais como IDFA-Amsterdã, Sheffield DocFest e Festival de Berlim

Até o dia 27 de setembro, a cidade de Lorena receberá a itinerância da 12ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema, considerada como o mais importante evento audiovisual da América do Sul dedicado às temáticas socioambientais. Totalmente gratuita, a programação contará com a exibição de 18 filmes, incluindo obras premiadas e com carreira em importantes festivais nacionais e internacionais, destaques das edições mais recentes da Mostra Ecofalante em São Paulo e sessões para o público infanto-juvenil. 

O evento terá sessões abertas ao público na Unisal e na USP, além de exibições educacionais na Faculdade Serra Dourada, no Colégio Drummond, na ETEC Padre Carlos Leôncio da Silva e em três escolas da rede estadual de ensino: EE Gabriel Prestes, EE Prof° Luiz de Castro Pinto e EE Prof° Francisco Marques de Oliveira Junior. A Mostra realiza ainda sessões para cerca de 2 mil alunos da rede municipal de ensino, que acontecem no período da manhã e da tarde na Unisal e na USP.

A programação completa do evento pode ser acessada no site ecofalante.org.br/programacao.

Mulheres na Conservação”

Destaques da programação

A programação da Mostra Ecofalante em Lorena traz filmes nacionais e internacionais, incluindo obras de destaque das edições mais recentes do festival em São Paulo.

Vento na Fronteira”, de Laura Faerman e Marina Weis, integrou a Competição Latino-Americana da Mostra em 2023; o filme acompanha a luta do povo Guarani-Kaiowá pelas suas terras, na região do Mato Grosso do Sul, que são objeto de disputa de grandes proprietários rurais. 

Exibido nos festivais IDFA-Amsterdã e Sheffield DocFest, “As Formigas e o Gafanhoto”, de Raj Patel e Zak Piper, retrata a jornada de Anita Chitaya do Malawi à Califórnia, com o desafio de convencer os norte-americanos de que a mudança climática é real.

As Formigas e o Gafanhoto”

 “Uma Vez Que Você Sabe”, do documentarista Emmanuel Cappellin, trata-se de um alerta: para uma parte dos cientistas, a oportunidade de evitar mudanças climáticas catastróficas já passou. A obra, exibida em eventos na Itália, Reino Unido e Hong Kong, coloca a pergunta: como se adaptar ao colapso?

Oeconomia”, dirigido por Carmen Losmann e selecionado para o Festival de Berlim, revela como as regras do jogo capitalista contemporâneo pré-condicionam sistematicamente o crescimento, os déficits e as concentrações de riqueza.

O canadense “Beleza Tóxica”, de Phyllis Ellis, exibido no festival HotDocs, é um documentário contundente sobre a falta de regulação da indústria cosmética e sobre o verdadeiro custo da beleza.

Beleza Tóxica”

Amazônia Sociedade Anônima”, de Estêvão Ciavatta, recebeu o prêmio One World Media Awards na categoria Impacto Ambiental. O documentário focaliza índios e ribeirinhos que, em uma união inédita liderada pelo Cacique Juarez Saw Munduruku, enfrentam máfias de roubo de terras e desmatamento ilegal para salvar a Floresta Amazônica.

BR Acima de Tudo”, de Fred Rahal, trata dos impactos da possível expansão da rodovia BR-163, cujo traçado corta a floresta amazônica em direção à fronteira com o Suriname, projeto gestado durante a ditadura civil-militar (1964-1985). 

Dirigido pela premiada diretora Cosima Dannoritzer, “Ladrões do Tempo” é uma coprodução Espanha/França que investiga como o tempo se tornou uma nova fonte cobiçada. A obra ouve especialistas para revelar o quanto a monetização do tempo, por um sistema econômico agora predominante, afeta a vida cotidiana. 

Para o público infanto-juvenil, a Mostra exibe duas animações. “Meu Nome é Maalum”, de Luísa Copetti, conta a história de uma menina negra brasileira que enfrenta os desafios de uma sociedade racista e, com a ajuda de sua família, transforma a tristeza em orgulho por sua ancestralidade. Em “Vanille”, de Guillaume Lorrin, uma pequena parisiense embarca numa aventura cheia de mistérios em Guadalupe e faz as pazes com suas origens. 

BR Acima de Tudo”

Realização

A itinerância da 12ª Mostra Ecofalante de Cinema em Lorena é viabilizada por meio da Lei de Incentivo à Cultura. O evento é uma apresentação da Valgroup, tem patrocínio da BASF e da Taesa e apoio da Drogasil. Tem apoio institucional da Prefeitura de Lorena (por meio da Secretaria Municipal de Educação), da Embaixada da França no Brasil, do Programa Ecofalante Universidades e do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. A Etec Padre Carlos Leôncio da Silva, Faculdade Serra Dourada, a Unisal e a USP são parceiras educacionais do evento. A produção é da Doc & Outras Coisas e a coprodução é da Química Cultural. A realização é da Ecofalante e do Ministério da Cultura.

Serviço

Mostra Ecofalante de Cinema – Lorena
18 a 27 de setembro
programação gratuita
ecofalante.org.br

Continue lendo

Ciência

Martins lança álbum “Interessante e Obsceno”

Publicado

em

De

Da nova geração de novos cantores e compositores, Martins, que já teve músicas gravadas por artistas como Daniela Mercury, Ney Matogrosso, Margareth Menezes e outros, tem chamado cada vez mais atenção com seu talento, a força de seus versos e sua performance como cantor. 

“Interessante e Obsceno”, seu segundo álbum traz muitas de suas facetas, letras mais pessoais como “Deixe” e faixa-título e outras que tratam mais das paixões, dos rompantes da vida como “Deixa Rolar”, “Tem Problema Não” e “Arrepia”. 

Ouça aqui

Com produção de Rafael Ramos, o álbum ainda traz a regravação de “Eu e Você Sempre”, de Jorge Aragão. Martins lançou o álbum de estreia, homônimo, em 2019, em 2022 “Almério e Martins ao vivo no Parque” e, recentemente, o single “Tua Voz”.

Confira o faixa a faixa de “Interessante e Obsceno”:

por Zélia Duncan

Martins tem um sorriso dentro da voz. É o espelho dos seus olhares para o que faz, de como a música parece lhe servir e, dessa maneira, chega até nós. Um conforto, um escape da vida que pesa nos ombros, um sorriso à espreita, ou escancarado. Emociona macio a quem ouve. E com toda doçura que sempre se anuncia na voz e na presença, vai mostrando com firmeza a que veio. E veio para ficar. Sua plateia canta todas as suas canções, até as inéditas. Há algo de imediato na sua imagem e no seu canto, que rapidamente nos convoca. Vindo da maré sempre renovadora dos mares pernambucanos, de uma semente que germina no coletivo e atende pelo nome de Reverbo. 

Acreditando na troca, Martins chega muito bem acompanhado, desde seu álbum de estreia. E não larga a mão de seus companheiros de jornada, porque neles se reconhece. E cresce. Não me deixa mentir a presença de Juliano Holanda, que produziu o álbum anterior, toca as guitarras e assina metade das músicas deste lançamento, que traz ao todo uma dúzia delas, literalmente. Apenas uma é regravação. Um clássico do repertório do grande Jorge Aragão, intitulada “Eu e você sempre”. Que na língua de Martins se torna uma doce e irresistível balada de amor. Aliás, é sobre amor o que escutamos neste álbum. Amor lírico, amor sensual, amor que termina, amor que começa, amor existencial, como na comovente canção com ares de oração, chamada “Deixe”, uma das quatro que assina com Juliano, onde aos poucos se revelam cordas e sopros, como que para nos elevar gradativamente. Proponho que você se entregue e “deixe que tudo que há num corpo se revele”, ao ouvi-la.

A faixa de abertura, ”Tua Voz”, começa com violão e um teclado com sonoridade Rhodes, tocado com sensibilidade por Rodrigo Tavares. O clima é sensual, meio bluesy, pra falar da boca, do canto e dos desejos. 

“Não Duvido” se anuncia com uma levada samba-rock. Violão, suingue, sopros e já chega provocando: “eu tenho lábios de sorrir, você tem dentes de quem quer morder”. Soa orgânica e alegre. Na bateria de Thiaguinho Silva e percussão de Kainã do Jêje, tudo vai pro lugar do balanço e a música se faz e derrama num refrão que é prazer garantido.

“Tá tudo bem” é de Igor Carvalho e Juliano Holanda, traz  o selo de qualidade Reverbo. Não à toa, Martins gravou e assinou com seu canto, junto com os autores, seus parceiros em tantas outras.

A faixa-título do álbum, “Interessante e Obsceno”, uma das cinco assinadas apenas por Martins, traz desejos de equilíbrio, auto-estima e leveza. Como um novo táxi lunar chegando de Pernambuco, pra te levar aos melhores passeios. Cuidado, o risco de ouvi-la sem parar é grande.

A apaixonada “Tem Problema Não” escorrega, dá vontade de pintar a cena que a melodia anuncia. Tem um clima bossa-nova, costurado pelo trombone de Nilsinho Amarante, que vai fazendo a ponte entre as estrofes, o refrão e a paixão à distância, que sempre dá um jeito de se encontrar através da canção. Aliás, bons refrões não faltam, na dançante “Deixa Rolar” comprova-se muito bem o suingue e as palavras que rapidamente se aprende, enquanto o corpo balança.

As cordas e sopros que soam na balada “Nu”, vestem a faixa de forma suave e gradativa, que emociona e valoriza a bela canção. Alberto Continentino assina seu contrabaixo em todas as faixas, pra deixar tudo bem amarrado, com sabedoria musical e inspiração. 

“Céu da Boca” vai rolar pelas gargantas dos fãs e a saliva de cada um vai ficar docinha, apaziguada e cheia de horizontes. O convite é amplo, “comigo e quem você quiser”. Põe naquela playlist das baladas irresistíveis.

“Voltar Pra si” encerra os trabalhos com clima de ijexá , baixo, percussão  e guitarras, pronta pras ruas de Olinda e Recife, parceria de quatro deles, Martins, PC Silva, Juliano e Marcello Rangel. 

O álbum e a jornada de Martins confirmam que se você quer voltar pra si, escolha bem seus companheiros de estrada e o caminho se faz mais possível.Tudo começa e se expandir a partir do violão, das palavras, dos parceiros e da voz desse artista cheio de um carisma, que é a cereja do bolo. 

Este novo passo chega até nós muito bem articulado, pela produção sensível  de Rafael Ramos. Arranjos inventivos que soam levemente, a serviço das canções. 

Agora é dar a largada, deitar e rolar.

Continue lendo

Destaque