Conecte-se Conosco

Cinema

CURTA KINOFORUM ANUNCIA FILMES SELECIONADOS PARA SUA 34ª EDIÇÃO

Publicado

em

*** um total de 210 títulos foram escolhidos entre os 3200 inscritos

*** obras de 50 países foram selecionadas

*** produção brasileira representa 19 estados e o Distrito Federal

Foram anunciados os filmes inscritos para o 34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo, que acontece de 24/08 a 3/09, com entrada gratuita.

Das mais de 3200 inscrições recebidas pelo evento, foram selecionadas 210 produções. Elas compõem os Programas Brasileiros (Mostra Brasil, Cinema em Curso e Oficinas Audiovisuais) e as mostras Internacional, Latino-americana, Infantojuvenil, Horizontes, Limite e Nocturnu – Cine Fantástico e de Horror.

Do Brasil, estão presentes curtas de 19 estados e do Distrito Federal. No total, estão representados 50 países.

Ainda serão anunciados outros 60 títulos convidados, que vão compor os programas especiais e o Foco desta edição.

Criado em 1990, o Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo é reconhecido como um dos mais importantes eventos mundiais dedicados ao filme de curta duração. Dirigido pela produtora cultural Zita Carvalhosa, o festival é organizado pela Associação Cultural Kinoforum, entidade também responsável pelas Oficinas Kinoforum de Realização Audiovisual, entre outras atividades.

*** FILMES SELECIONADOS ENTRE OS INSCRITOS ***

PROGRAMAS BRASILEIROS – MOSTRA BRASIL

“‘Romeu e Julieta’ em Libras” (Brasil-RS) – Adriana Somacal

“A Alma das Coisas” (Brasil-RJ) – Douglas Soares e Felipe Herzog

“A Última Vez que Ouvi Deus Chorar” (Brasil-MG) – Marco Antonio Pereira

“Arrimo” (Brasil-SP) – Rogério Borges

“As Miçangas” (Brasil-DF) – Emanuel Lavor e Rafaela Camelo

“Ava Mocoi, os Gêmeos” (Brasil-PR/Cuba) – Vinicius Toro e Luiza Calagian

“Ave Maria” (Brasil-RJ) – Pê Moreira

“Avisa se Voltar” (Brasil-SP) – Jota Carmo

Big Bang” (Brasil-MG/França) – Carlos Segundo

“Bucho de Peixe” (Brasil-RN) – Johann Jean

“Cabana” (Brasil-PA) – Adriana de Faria

“Cadim” (Brasil-SP) – Luiza Pugliesi Villaça

“Cama Vazia” (Brasil-SP) – Jean-Claude Bernardet e Fábio Rogério

“Casa de Bonecas” (Brasil-MA) – George Pedrosa

“Castanho” (Brasil-AM) – Adanilo

“Contando Aviões” (Brasil-SP) – Fabio Rodrigo

“Deixa” (Brasil-RJ) – Mariana Jaspe

“Despovoado, ou Tudo Que a Gente Podia Ser” (Brasil-SP) – Guilherme Xavier Ribeiro

“Diafragma” (Brasil-AL) – Robson Cavalcante

“Drapo A” (Brasil-RS) – Henrique Lahude e Alix Georges

“Energúmeno” (Brasil-GO) – Luis Calil

“Estrelas de Um Só Hit” (Brasil-SP) – Luisa Guarnieri

“Eu Sou Uma Arara” (Brasil-AP) – Mariana Lacerda e Rivane Neuenschwander

“Fala da Terra” (Brasil-PA-PE) – Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

“Feira da Ladra” (Brasil-SP) – Diego Migliorini

“Firmina” (Brasil-SP) – Izah Neiva

“Habitar” (Brasil-SP) – Antonio Fargoni

Infantaria” (Brasil-AL) – Laís Santos Araújo

“Lapso” (Brasil-MG) – Caroline Cavalcanti

“LYB” (Brasil-SP) – Felipe Poroger

“Mãri Hi – A Árvore do Sonho” (Brasil-RR) – Morzaniel Ɨramari

“Mborairapé” (Brasil-SP) – Roney Freitas

“Nada Haver” (Brasil-RJ) – Juliano Gomes

“Nhe‘en-Mongarai / Batismo da Alma” (Brasil-SP-RJ) – Alberto Alvares

“Noite No Ar” (Brasil-SP) – Nino Pereira

“O Chá de Alice” (Brasil-PR) – Simone Spoladore

“O Condutor da Cabine” (Brasil-SP) – Cristiano Burlan

“O Filme Perdido” (Brasil-RN) – Luiza Sader

“O Itinerário de Cicatrizes” (Brasil-MT) – Gloria Albues

“O Nosso Pai” (Brasil-SP) – Anna Muylaert

“Ode” (Brasil-BA) – Diego Lisboa

“Olhares Trêmulos” (Brasil-SP) – Leno Taborda

“Onde a Floresta Acaba” (Brasil-SP) – Otavio Cury

“Os Animais Mais Fofos e Engraçados do Mundo” (Brasil-SP) – Renato Sircilli

“Pedro e Inácio” (Brasil-PE) – Caio Dornelas

“Peixe Vivo” (Brasil-SP) – Frederico Evaristo e Bob Yang

“Peixes Vivos” (Brasil-SP) – Bru Fotin, Bob Yang e Frederico Evaristo

“Procuro Teu Auxílio Para Enterrar um Homem” (Brasil-ES) – Anderson Bardot

“Provisório” (Brasil-SP) – Wilq Vicente – Mostra Brasil

“Pulmão de Pedra” (Brasil-PB) – Torquato Joel

“Quebra Panela” (Brasil-PE) – Rafael Anaroli

“Quentinha” (Brasil-CE) – Rwanyto Oscar Santos

“Quinze Quase Dezesseis” (Brasil-SP) – Thais Fujinaga

“Ramal” (Brasil-MG) – Higor Gomes

“Rasgão” (Brasil-RS) – Marcio Picoli e Victor Di Marco

“SOLOS” (Brasil-SP) – Pedro Vargas

“Tapuia” (Brasil-SP) – Begê Muniz e Kay Sara

“Thuë Pihi Kuuwi – Uma Mulher Pensando” (Brasil-RR) – Edmar Tokorino Yanomami e Roseane Yariana Yanomami e Aida Harika Yanomami

“Último Domingo” (Brasil-RJ) – Renan Barbosa Brandão e Joana Claude – Mostra Brasil

“Vãnh Gõ Tõ Laklãnõ” (Brasil-SC) – Flávia Person e Walderes Coctá Priprá e Barbara Pettres

“Vão das Almas” (Brasil-DF) – Edileuza Penha de Souza e Santiago Dellape

“Verde” (Brasil-SP) – Rodrigo Ribeyro e Gustavo Auricchio

“Yuri U Xëatima Thë – A Pesca com Timbó” (Brasil-RR) – Roseane Yariana Yanomami e Aida Harika Yanomami e Edmar Tokorino Yanomami

PROGRAMAS BRASILEIROS – CINEMA EM CURSO

“As Velas Do Monte Castelo” (Brasil-CE) – Lanna Carvalho

“Batimentos” (Brasil-SP) – Pedro Petriche e Clara Dias

“Combustão Não Espontânea” (Brasil-SP) – Boni Zanatta

“Filhos do Caos” (Brasil-SP) – Lucca Carvalho e Mateus RVC

“Fique na Luz” (Brasil-SP) – David Alves

“JIB” (Brasil-SP) – Lira Kim

“Jorge” (Brasil-SP) – Bruno Laiso Felix

“Manchas de Sol” (Brasil-RS) – Martha Mariot

“Provérbios 26:27” (Brasil-PR) – Plínio Luís Pereira Lopes e Daniel Barbosa

“Quinze Primaveras” (Brasil-CE) – Leão Neto

“Remendo” (Brasil-ES) – Roger Ghil

“Tô Esperando Você Voltar” (Brasil-SP) – Marina Lavarini

PROGRAMAS BRASILEIROS – OFICINAS AUDIOVISUAIS

“Alex” (Brasil-RJ) – Ludmila Curi

“Caramba, Cacilda!” (Brasil-SP) – Ágatha Bueno

“Destemor” (Brasil-SP) – João Vitor Araújo

“Essentia” (Brasil-SP) – Thami Silva

“Promoção” (Brasil-SP) – Hellen Nicolau

“Sob(re) A Pele” (Brasil-SP) – Beatriz Nunes e Ana Carolina Gomes

“Zona Noroeste: Daqui Sou, Aqui Estou” (Brasil-SP) – Rafael Souza e Elizabete Ataliba

MOSTRA LATINO-AMERICANA

“A Cadela” (“La Perra”, Colômbia/França) – Carla Melo Gampert

“Aí Vêm as Rachaduras” (“Vienen las Grietas”, Colômbia/Holanda) – Daniel Mateo Vallejo

“Ángel e Perla” (“Ángel y Perla”, Argentina) – Jenni Merla e Denise Anzarut

“Apneia” (“Apnea”, México) – Natalia Bermúdez

“Arkhé” (México) – Armando Navarro

“Carne de Deus” (“Carne de Dios”, Argentina/México) – Patricio Plaza

“Contos Excepcionais de uma Jovem Equipe Feminina: As Rubras” (“Contos Excepcionales de un Equipo Juvenil Femenino: Las Rojas”, Argentina/Venezuela) – Tom Espinoza

“Gloria” (Colômbia) – Diego Cortés, Daniela Briceño e Blanca Castellar

“Mãos Alheias” (“Manos Ajenas”, México) – Adrián Monroy Molina

“Maré Baixa” (“Bajamar”, Colômbia/Espanha) – Juana Castro

“Mein Buch” (Argentina) – Max Mirelmann

“Negro o Mar” (“Negro el Mar”, Colômbia) – Juan David Mejía Vásquez

“O Fim Justifica os Medos” (“El Fin Justifica los Miedos”, Argentina) – Marcos Montes de Oca

“O Golfinho” (“El Delfín”, Uruguai) – Manuela Roca

“O Mar Também é Seu” (Cuba/Brasil) – Michelle Coelho

“Os Nadadores” (“Los Nadadores”, Costa Rica) – Charlie López

“Somos Nós Duas” (“Somos las Dos”, Argentina) – Emilia Herbst

“Takanakuy” (Peru/Brasil) – Gustavo Vokos

“Três Cinematecas” (“Tres Cinematecas”, Argentina/Brasil) – Nicolás Suárez

“Um Quarto de Hora” (“Cuarto de Hora”, Chile/França) – Nemo Arancibia

“Zarzal” (Colômbia) – Sebastian Valencia Muñoz

MOSTRA INTERNACIONAL

“A Arte de Desviar” (“Sztuka Mijania”, Polônia) – Tobiasz Wałkiewicz

“A Balada Pós Fim do Mundo” (“El After del Mundo”, França) – Florentina Gonzalez

“À Beira do Delírio” (“Au Bord du Délire”, França/Colômbia) – Maria Claudia Blanco

“A Ferida Luminosa” (“La Herida Luminosa”, Espanha) – Christian Avilés

“A Floresta Emaranhada” (“The Entangled Forest”, Reino Unido) – Nick Jordan

“A História do Mundo Segundo a Getty Images” (“A History of the World According to Getty Images”, Reino Unido/Noruega) – Richard Misek

“A Que Lugar Pertenço?” (“Where do I Belong?”, Bélgica) – Jordie Koko

“Aeromoça-737” (“Airhostess-737”, Grécia) – Thanasis Neofotistos

“Anaklia” (Geórgia/Itália) – Elisa Baccolo

“Ao Vivo” (“Na Żywo”, Polônia) – Mara Tamkovich

“Arquivo” (“Parvandeh”, Irã) – Sonia Hadad

“Bergie” (África do Sul) – Dian Weys

“Caranguejo” (“Krab”, Polônia/França) – Piotr Chmielewski

“Carcaças” (“Carcasses”, França) – Mehdi Ouahab

“Carniça” (Estados Unidos) – Yvonne Zhang

“Caros Passageiros” (“Kallid Reisijad”, Estônia) – Madli Lääne

“Conto Selvagem” (“Conte Sauvage”, Bélgica/França) – Alice Quertain

“Coração de um Astronauta” (“Heart of an Astronaut”, Suécia) – Jennifer Rainsford

“Despertando em Silêncio” (“Waking Up in Silence”, Alemanha/Ucrânia) – Mila Zhluktenko e Daniel Asadi Faezi

“Dinheiro e Felicidade” (“Money and Happiness”, Sérvia/Eslovênia/Eslováquia) – Ana Nedeljković e Nikola Majdak

“E Quão Miserável é o Lar do Demônio” (“And How Miserable is Home of the Evil”, Suíça) – Saleh Kashefi

“E Se as Mulheres Mandassem no Mundo?” (“What If Women Ruled the World?”, Itália/Estados Unidos) – Giulia Magno

“Encenando a Morte” (“Staging Death”, Áustria) – Jan Soldat

“Entrada de Animais Vivos” (“Ingresso Animali Vivi”, Croácia) – Igor Grubic

“Escapada” (“L’Échappée”, França) – Philémon Vanorle e Justine Pluvinage

“Eu Venho do Mar” (“I Come From the Sea”, Líbano) – Feyrouz Serhal

“Experiências Desconhecidas” (“Things Unheard Of”, Turquia) – Ramazan Kilic

“Flyby Kathy” (Portugal) – Pedro Bastos

“III” (Canadá) – Salomé Villeneuve

“Long Time No Techno” (Alemanha) – Eugenia Bakurin

“Mãe” (“Mother”, Ucrânia/Polônia) – Iurii Leuta

“Marie Louise” (França) – Régis Fortino

“Marie.Eduardo.Sophie” (Canadá) – Thomas Corriveau

“Maruja” (Espanha) – Berta Garcia-Lacht

“Mastigue!” (“Chomp It!”, Cingapura) – Mark Chua e Li Shuen Lam

“Natal no Inferno” (“Noël en Enfer”, França) – Solal Dreyfus e Nejma Dreyfus

“O Desenho” (“L’Esquisse”, França) – Tomas Cali

“O Nabo” (“Naeris”, Estônia) – Silja Saarepuu e Piret Sigus

“O Ritual” (“The Ritual”, Rússia/Israel) – Mikhail Zheleznikov

“Patanegra” (França/Bélgica) – Méryl Fortunat-Rossi

“Perdido no Mar” (“Lost at Sea”, Espanha/Reino Unido) – Andrés Bartos Amory e Lucija Stojevic

“Quanto a Nós” (“In Quanto a Noi”, Itália) – Simone Massi

“Recomeçar” (“Nowy Początek”, Polônia) – Daniel Szajdek

“Sem Rastros” (“Otpechatki”, Rússia) – Serafim Orekhanov

“Serviço Militar” (“Palvelus”, Finlândia) – Mikko Makela

“Sonho de Rolinho Primavera” (“Spring Roll Dream”, Reino Unido) – Mai Vu

“Surpresa” (“Surprise”, Suécia) – Laerke Herthoni

“Terra Mater – Mother Land” (Ruanda/Suíça) – Kantarama Gahigiri

“Tigre Místico” (Espanha) – Marc Martínez Jordan

“Todas as Festas de Amanhã” (“All Tomorrow’s Parties”, China) – Dalei Zhang

“Transfusão” (“Transfuzija”, Croácia) – Igor Bojan Vilagoš

“Trilha” (“Tria”, Itália) – Giulia Grandinetti

“Um Astronauta Perdido e a Cidade de Pegadas” (“A Lost Astronaut and a City of Footprints”, Vietnã) – Khue Vu Nguyen Nam

“Um Caroço de Abacate” (Portugal) – Ary Zara

“Y” (Croácia) – Matea Kovač

“Ymor” (França) – Julien Lahmi

MOSTRA INFANTOJUVENIL

“A Menina e o Mar” (Brasil-RJ) – Gabriel Mellin

“Balanço Para a Lua” (“Swing to the Moon”, França) – N. de Boer, V. Levrero, M. Bordessoule, E. Drique, S. Moreau, A. Bouissie e C. Lazau

“Barra Nova” (Brasil-CE) – Diego Maia

“Coração de Concreto” (“Coeur Béton”, França) – Enrika Panero

“Cósmica” (Brasil-PB) – Ana Bárbara Ramos

“Impurrfection” (Taiwan) – Chiang Yao

“Jules & Juliette” (Bélgica) – Chantal Peten

“Marlon” (Brasil-RJ) – Ludmila Curi

“Me Enxergo Quando Te Vejo” (Brasil-SP) – Guillermo Alves e Michelle Brito

“O Carrossel” (“La Calesita”, Argentina/Canadá/França) – Augusto Schillaci

“O Cinema dos Meus Sonhos” (Brasil-SP) – Realização Coletiva

“Os Muitos Mundos de Piero Maria” (Brasil-SP) – Helena Guerra

“Ouçam-Me: Um Manifesto” (Brasil-SP) – João Pedro Muniz e Elisa Cecci

“Super-Heróis” (Brasil-DF) – Rafael de Andrade

MOSTRA LIMITE

“Aqui Onde Tudo Acaba” (Brasil-SC) – Juce Filho e Cláudia Cárdenas

“E6-D7” (Bélgica) – Eno Swinnen

“Espectro Restauración” (Brasil-RJ) – Felippe Mussel

“Estranhos no Escuro” (“Strangers in the Dark”, Finlândia) – Jenni Pystynen e Perttu Inkilä

“Mais ou Menos Trabalhando” (“Hardly Working”, Áustria) – Total Refusal

“Mas Onde Fica Ornicar?” (“Mais Où Est Donc Ornicar?”, França) – Oscar Maso e Guëll Rivet

“Mulika” (Congo) – Maene Maisha

“Nostalgia para o Lago” (“Nostalgia para el Lago”, Paraguai/Argentina) – Arturo Maciel

“O Mal dos Ardentes” (“Le Mal des Ardents”, França) – Alice Brygo

“O Toque Fantasma” (“The Phantom Touch”, Chile) – Pablo Cuturrufo

“Observe o Fogo ou Queime Nele” (“Il Faut Regarder le Feu ou Brûler Dedans”, França) – Caroline Poggi e Jonathan Vinel

“Realtà Porosa” (França) – Tiberio Suppressa

“Spiti” (Brasil-SP) – Marcio Miranda Perez e Nivaldo Godoy Jr.

“Suplício Noturno” (Brasil-SP) – João Rubio Rubinato

MOSTRA HORIZONTES

“A Menos que Bailemos” (Colômbia) – Fernanda Pineda e Hanz Rippe Gabriel

“Comida de Quintal” (Brasil-MG) – Luisa Macedo

“Dance Off” (“El Dance Off”, Argentina) – Nicolás Keller Sarmiento

“De Repente TV” (“Suddenly TV”, Sudão/Qatar) – Roopa Gogineni

“E Eu, Estou Dançando Também” (“And Me, I’m Dancing Too”, Alemanha/República Tcheca) – Mohammad Valizadegan

“Fantasmas” (“Ghosts”, França/Estados Unidos) – (LA)HORDE Ballet National de Marseille

“Nada Importante” (“Rien d’Important”, França) – François Robic

“No Início do Mundo” (Brasil-MG) – Gabriel Marcos

“O Último Rock” (Brasil-ES) – Diego de Jesus

“Pouco a Pouco” (“Stück Für Stück”, Áustria) – Reza Rasouli

“Se Trans For Mar” (Brasil-SP) – Cibele Appes

“Te Amo, Se Cuida” (Brasil-SP) – André Vidigal e Liz Dórea

“Últimos Dias de Verão” (“Last Days of Summer”, Índia/França) – Stenzin Tankong

NOCTURNU – CINE FANTÁSTICO E DE HORROR

“A Máquina de Alex” (“La Machine d’Alex”, França) – Mael La Mée

“Esfolada” (“Écorchée”, França) – Joachim Hérissé

“Promessa de Um Amor Selvagem” (Brasil-SP) – Davi Mello

“Tem Algo Estranho Com a Minha Avó” (Brasil-SP/Equador/Argentina) – Pedro Balderama e Rimai Sojo

Você Verá” (“You Will See”, Cingapura) – Kathleen Bu

Serviço

34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo

https://kinoforum.org/

de 24 de agosto a 3 de setembro de 2023

em diversas salas da cidade de São Paulo

entrada franca

Atendimento à Imprensa:

ATTi Comunicação e Ideias

Eliz Ferreira e Valéria Blanco (11) 3729.1455 / 3729.1456 / 9 9105.0441

Cinema

Filme dirigido pelo multiartista novíssimo Edgar com trilha de Pupillo estreia no Festival do Rio

Publicado

em

De

Estreia no próximo dia 06 de outubro, no Festival do Rio 2023, o primeiro curta-metragem dirigido e roteirizado pelo cantor e multiartista Novíssimo Edgar: “Erva de Gato”. O projeto, que foi filmado em 2021, foi produzido pela artista Giulia Del Bel (“As Five”, “Meu nome é Bagdá”), que também faz parte do elenco, ao lado de Grace Passô (“Praça Paris”) e Ítalo Martins (atualmente em cartaz na novela “Terra e Paixão”, da Globo). A trilha sonora foi composta pelo produtor musical, baterista, e ex-integrante da banda Nação Zumbi, Pupillo. A sessão do dia 06 será fechada para convidados, mas haverá uma exibição aberta ao público em 07/10 – mais informações serão enviadas em breve. A 25ª edição do Festival do Rio acontece de 05 a 15 de outubro.

Assista ao trailer do filme

O filme é uma obra de ficção que se passa em um Brasil separado em três fronteiras, após uma guerra civil: “Confederalismo Democrático do Nordeste”, “Sul é Meu País” e “Amazônia”. Um grupo de amigos se encontram em uma casa no “Estado Autônomo” e após uma brincadeira, despertam o espírito adormecido em corpo de gato e recebem uma missão.

“Estou muito feliz que finalmente ‘Erva de Gato’ será apresentado ao mundo”, afirmou Edgar. “Tenho muito orgulho desse trabalho, que foi feito com muito carinho e dedicação por tanta gente. Acho que ele não poderia ter uma estreia melhor do que no Festival do Rio, um evento tão importante para a nossa cultura.”

Artista brasileiro, Novíssimo Edgar nasceu na periferia de Guarulhos, São Paulo em 1993. Atualmente vive e trabalha nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Poeta, artista plástico, compositor, performer, sua obra transborda autenticidade e liberdade, passando por diversos suportes e segmentos de pesquisas de metalinguagens e transmídia. Além da parceria musical com Elza Soares, tem participações com João Donato, Céu e Baiana System. Ganhou dois prêmios como artista revelação no ano de 2018, pela SIM e pela APCA, e recebeu o prêmio Zumbi dos Palmares da Legislação de São Paulo pela sua influência na luta anti-racista em 2019. 

“Realizar este curta acho é tanto uma realização pessoal e profissional, quanto coletiva”, comentou Edgar. “Creio que também é uma oportunidade para que outras pessoas que acompanham o meu trabalho consigam ver, produzir e assumir esses postos, da mesma forma como eu assumi. Eu acho que deixar de ser um fetiche para outros diretores em cima dos universos e ficções que eu crio e eu mesmo ter conseguido pegar e ser o timoneiro desta embarcação, junto à toda equipe que acreditou, é muito importante. Esse é um grande ponto, porque todas as outras produções que eu realizei, desde videoclipes ou audiovisuais, sempre fiquei com a co-direção ou fui o responsável pelo argumento… e no caso de “Erva de Gato”, esse é o meu roteiro e a direção total na íntegra, e isso faz uma grande diferença”, finaliza o artista nascido em Guarulhos-SP. 

Um dos pontos altos de “Erva de Gato” é, sem dúvida, sua trilha sonora, assinada por Pupillo. Produtor musical, baterista, compositor de trilhas sonoras, ex-integrante da banda Nação Zumbi, Pupillo vem produzindo artistas desde 2000, a exemplo de Mundo Livre S/A, Otto, Lirinha, Céu, Gal Costa, Erasmo Carlos e Paulo Miklos. Recentemente, lançou o EP do projeto Orquestra Frevo do Mundo – Volume 2, produzido por ele com participação de Nando Reis, Martins e Bala Desejo. O trabalho, que também é uma iniciativa do produtor artístico Marcelo Soares, apresenta canções com uma sonoridade carnavalesca. 

“Erva de Gato”

Escrito e dirigido por NOVÍSSIMO EDGAR 

Produzido por GIULIA DEL BEL 

Elenco principal: GRACE PASSÔ, ÍTALO MARTINS, GORETTI RIBEIRO e GIULIA DEL BEL 

Direção de fotografia: LARYSSA MACHADA, LEANDRO REALISTA e RAFAEL PIU

Montagem: RENATO PASCOAL 

Trilha sonora original: PUPILLO 

Direção de casting: EDUARDO BENESI 

Preparação de elenco: CLAYTON NASCIMENTO

Continue lendo

Cinema

MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA EXIBE 18 FILMES EM LORENA

Publicado

em

De

Festival acontece de forma gratuita até de setembro

* evento tem sessões abertas ao público na Unisal e na USP, além de exibições para estudantes em diversas instituições de ensino

* programação inclui títulos assinados por Estêvão Ciavatta, Fred Rahal, Laura Faerman e Marina Weis

* filmes premiados e com carreira em importantes festivais como IDFA-Amsterdã, Sheffield DocFest e Festival de Berlim

Até o dia 27 de setembro, a cidade de Lorena receberá a itinerância da 12ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema, considerada como o mais importante evento audiovisual da América do Sul dedicado às temáticas socioambientais. Totalmente gratuita, a programação contará com a exibição de 18 filmes, incluindo obras premiadas e com carreira em importantes festivais nacionais e internacionais, destaques das edições mais recentes da Mostra Ecofalante em São Paulo e sessões para o público infanto-juvenil. 

O evento terá sessões abertas ao público na Unisal e na USP, além de exibições educacionais na Faculdade Serra Dourada, no Colégio Drummond, na ETEC Padre Carlos Leôncio da Silva e em três escolas da rede estadual de ensino: EE Gabriel Prestes, EE Prof° Luiz de Castro Pinto e EE Prof° Francisco Marques de Oliveira Junior. A Mostra realiza ainda sessões para cerca de 2 mil alunos da rede municipal de ensino, que acontecem no período da manhã e da tarde na Unisal e na USP.

A programação completa do evento pode ser acessada no site ecofalante.org.br/programacao.

Mulheres na Conservação”

Destaques da programação

A programação da Mostra Ecofalante em Lorena traz filmes nacionais e internacionais, incluindo obras de destaque das edições mais recentes do festival em São Paulo.

Vento na Fronteira”, de Laura Faerman e Marina Weis, integrou a Competição Latino-Americana da Mostra em 2023; o filme acompanha a luta do povo Guarani-Kaiowá pelas suas terras, na região do Mato Grosso do Sul, que são objeto de disputa de grandes proprietários rurais. 

Exibido nos festivais IDFA-Amsterdã e Sheffield DocFest, “As Formigas e o Gafanhoto”, de Raj Patel e Zak Piper, retrata a jornada de Anita Chitaya do Malawi à Califórnia, com o desafio de convencer os norte-americanos de que a mudança climática é real.

As Formigas e o Gafanhoto”

 “Uma Vez Que Você Sabe”, do documentarista Emmanuel Cappellin, trata-se de um alerta: para uma parte dos cientistas, a oportunidade de evitar mudanças climáticas catastróficas já passou. A obra, exibida em eventos na Itália, Reino Unido e Hong Kong, coloca a pergunta: como se adaptar ao colapso?

Oeconomia”, dirigido por Carmen Losmann e selecionado para o Festival de Berlim, revela como as regras do jogo capitalista contemporâneo pré-condicionam sistematicamente o crescimento, os déficits e as concentrações de riqueza.

O canadense “Beleza Tóxica”, de Phyllis Ellis, exibido no festival HotDocs, é um documentário contundente sobre a falta de regulação da indústria cosmética e sobre o verdadeiro custo da beleza.

Beleza Tóxica”

Amazônia Sociedade Anônima”, de Estêvão Ciavatta, recebeu o prêmio One World Media Awards na categoria Impacto Ambiental. O documentário focaliza índios e ribeirinhos que, em uma união inédita liderada pelo Cacique Juarez Saw Munduruku, enfrentam máfias de roubo de terras e desmatamento ilegal para salvar a Floresta Amazônica.

BR Acima de Tudo”, de Fred Rahal, trata dos impactos da possível expansão da rodovia BR-163, cujo traçado corta a floresta amazônica em direção à fronteira com o Suriname, projeto gestado durante a ditadura civil-militar (1964-1985). 

Dirigido pela premiada diretora Cosima Dannoritzer, “Ladrões do Tempo” é uma coprodução Espanha/França que investiga como o tempo se tornou uma nova fonte cobiçada. A obra ouve especialistas para revelar o quanto a monetização do tempo, por um sistema econômico agora predominante, afeta a vida cotidiana. 

Para o público infanto-juvenil, a Mostra exibe duas animações. “Meu Nome é Maalum”, de Luísa Copetti, conta a história de uma menina negra brasileira que enfrenta os desafios de uma sociedade racista e, com a ajuda de sua família, transforma a tristeza em orgulho por sua ancestralidade. Em “Vanille”, de Guillaume Lorrin, uma pequena parisiense embarca numa aventura cheia de mistérios em Guadalupe e faz as pazes com suas origens. 

BR Acima de Tudo”

Realização

A itinerância da 12ª Mostra Ecofalante de Cinema em Lorena é viabilizada por meio da Lei de Incentivo à Cultura. O evento é uma apresentação da Valgroup, tem patrocínio da BASF e da Taesa e apoio da Drogasil. Tem apoio institucional da Prefeitura de Lorena (por meio da Secretaria Municipal de Educação), da Embaixada da França no Brasil, do Programa Ecofalante Universidades e do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. A Etec Padre Carlos Leôncio da Silva, Faculdade Serra Dourada, a Unisal e a USP são parceiras educacionais do evento. A produção é da Doc & Outras Coisas e a coprodução é da Química Cultural. A realização é da Ecofalante e do Ministério da Cultura.

Serviço

Mostra Ecofalante de Cinema – Lorena
18 a 27 de setembro
programação gratuita
ecofalante.org.br

Continue lendo

Ciência

Martins lança álbum “Interessante e Obsceno”

Publicado

em

De

Da nova geração de novos cantores e compositores, Martins, que já teve músicas gravadas por artistas como Daniela Mercury, Ney Matogrosso, Margareth Menezes e outros, tem chamado cada vez mais atenção com seu talento, a força de seus versos e sua performance como cantor. 

“Interessante e Obsceno”, seu segundo álbum traz muitas de suas facetas, letras mais pessoais como “Deixe” e faixa-título e outras que tratam mais das paixões, dos rompantes da vida como “Deixa Rolar”, “Tem Problema Não” e “Arrepia”. 

Ouça aqui

Com produção de Rafael Ramos, o álbum ainda traz a regravação de “Eu e Você Sempre”, de Jorge Aragão. Martins lançou o álbum de estreia, homônimo, em 2019, em 2022 “Almério e Martins ao vivo no Parque” e, recentemente, o single “Tua Voz”.

Confira o faixa a faixa de “Interessante e Obsceno”:

por Zélia Duncan

Martins tem um sorriso dentro da voz. É o espelho dos seus olhares para o que faz, de como a música parece lhe servir e, dessa maneira, chega até nós. Um conforto, um escape da vida que pesa nos ombros, um sorriso à espreita, ou escancarado. Emociona macio a quem ouve. E com toda doçura que sempre se anuncia na voz e na presença, vai mostrando com firmeza a que veio. E veio para ficar. Sua plateia canta todas as suas canções, até as inéditas. Há algo de imediato na sua imagem e no seu canto, que rapidamente nos convoca. Vindo da maré sempre renovadora dos mares pernambucanos, de uma semente que germina no coletivo e atende pelo nome de Reverbo. 

Acreditando na troca, Martins chega muito bem acompanhado, desde seu álbum de estreia. E não larga a mão de seus companheiros de jornada, porque neles se reconhece. E cresce. Não me deixa mentir a presença de Juliano Holanda, que produziu o álbum anterior, toca as guitarras e assina metade das músicas deste lançamento, que traz ao todo uma dúzia delas, literalmente. Apenas uma é regravação. Um clássico do repertório do grande Jorge Aragão, intitulada “Eu e você sempre”. Que na língua de Martins se torna uma doce e irresistível balada de amor. Aliás, é sobre amor o que escutamos neste álbum. Amor lírico, amor sensual, amor que termina, amor que começa, amor existencial, como na comovente canção com ares de oração, chamada “Deixe”, uma das quatro que assina com Juliano, onde aos poucos se revelam cordas e sopros, como que para nos elevar gradativamente. Proponho que você se entregue e “deixe que tudo que há num corpo se revele”, ao ouvi-la.

A faixa de abertura, ”Tua Voz”, começa com violão e um teclado com sonoridade Rhodes, tocado com sensibilidade por Rodrigo Tavares. O clima é sensual, meio bluesy, pra falar da boca, do canto e dos desejos. 

“Não Duvido” se anuncia com uma levada samba-rock. Violão, suingue, sopros e já chega provocando: “eu tenho lábios de sorrir, você tem dentes de quem quer morder”. Soa orgânica e alegre. Na bateria de Thiaguinho Silva e percussão de Kainã do Jêje, tudo vai pro lugar do balanço e a música se faz e derrama num refrão que é prazer garantido.

“Tá tudo bem” é de Igor Carvalho e Juliano Holanda, traz  o selo de qualidade Reverbo. Não à toa, Martins gravou e assinou com seu canto, junto com os autores, seus parceiros em tantas outras.

A faixa-título do álbum, “Interessante e Obsceno”, uma das cinco assinadas apenas por Martins, traz desejos de equilíbrio, auto-estima e leveza. Como um novo táxi lunar chegando de Pernambuco, pra te levar aos melhores passeios. Cuidado, o risco de ouvi-la sem parar é grande.

A apaixonada “Tem Problema Não” escorrega, dá vontade de pintar a cena que a melodia anuncia. Tem um clima bossa-nova, costurado pelo trombone de Nilsinho Amarante, que vai fazendo a ponte entre as estrofes, o refrão e a paixão à distância, que sempre dá um jeito de se encontrar através da canção. Aliás, bons refrões não faltam, na dançante “Deixa Rolar” comprova-se muito bem o suingue e as palavras que rapidamente se aprende, enquanto o corpo balança.

As cordas e sopros que soam na balada “Nu”, vestem a faixa de forma suave e gradativa, que emociona e valoriza a bela canção. Alberto Continentino assina seu contrabaixo em todas as faixas, pra deixar tudo bem amarrado, com sabedoria musical e inspiração. 

“Céu da Boca” vai rolar pelas gargantas dos fãs e a saliva de cada um vai ficar docinha, apaziguada e cheia de horizontes. O convite é amplo, “comigo e quem você quiser”. Põe naquela playlist das baladas irresistíveis.

“Voltar Pra si” encerra os trabalhos com clima de ijexá , baixo, percussão  e guitarras, pronta pras ruas de Olinda e Recife, parceria de quatro deles, Martins, PC Silva, Juliano e Marcello Rangel. 

O álbum e a jornada de Martins confirmam que se você quer voltar pra si, escolha bem seus companheiros de estrada e o caminho se faz mais possível.Tudo começa e se expandir a partir do violão, das palavras, dos parceiros e da voz desse artista cheio de um carisma, que é a cereja do bolo. 

Este novo passo chega até nós muito bem articulado, pela produção sensível  de Rafael Ramos. Arranjos inventivos que soam levemente, a serviço das canções. 

Agora é dar a largada, deitar e rolar.

Continue lendo

Destaque